SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sábado, 14 de maio de 2016

DILMA ROUSSEFF CRITICA FALTA DE MULHERES E NEGROS NO MINISTÉRIO MINISTRO DA CASA CIVIL JUSTIFICA QUE PARTIDOS NÃO INDICARAM

PRESIDENTE DILMA FALOU A JORNALISTAS ESTRANGEIROS NESTA SEXTA-FEIRA. FOI A PRIMEIRA ENTREVISTA APÓS SEU AFASTAMENTO (FOTO: ELZA FIUZA/ABR)
A presidente afastada Dilma Rousseff lamentou nesta quinta-feira, 13, a falta de mulheres e negros no novo ministério do governo Michel Temer.
“Lamento que não haja mulheres e negros no ministério. Mulheres têm se mostrado competentes em todas as áreas. Tudo indica que o governo Temer será liberal na economia e conservador nas políticas sociais”, disse a petista.
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, rebateu a crítica e disse que o ministério do presidente interino não tem mulheres em sua composição porque os partidos não as indicaram.
“Tivemos essa composição feita a partir das sugestões dos partidos. Tentamos de várias formas, na parte que dizia respeito à disponibilidade do presidente Michel Temer, em várias funções, buscar mulheres, mas, por razões que não vêm ao caso aqui discutirmos, não foi possível”, disse Padilha, após a primeira reunião ministerial do novo governo no Palácio do Planalto.
Dilma também classificou o governo de Michel Temer como "provisório" e "ilegítimo". Ela também disse que sofreu “sabotagem” na hora de governar. É a primeira vez que a petista concede entrevista à imprensa após a aprovação de seu afastamento por 180 dias pelo Senado.
“Há um governo interino e ilegítimo em termos de votos. Poucos partidos têm uma unidade nacional em que um líder fala por todos. O Brasil tem fragmentação política, precisa de uma profunda reforma política”, defendeu.
fonte:http://www.diariodopoder.com.br
Postar um comentário

Comentarios