SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 2 de junho de 2016

10 Dicas que todo Nefrologista Gostaria que os Cardiologistas soubessem!

Luís SetteEscrito por Luís Sette

ab9b6278c7a84106b1fed35f28786bc1
Texto Enviado pelo Dr Luis Sette – professor de Nefrologia da Universidade Federal de Pernambuco.
  1. Pacientes nefropatas devem ser classificados quanto ao ritmo de filtração glomerular (1, 2, 3a,3b ,4 ,5) e albuminúria (relação alb/cr) em A1, 2 e 3.
    1. Pacientes com albuminúria apresentam progressão da DRC mais rápida e devem ser avaliados com maior frequência (http://kdigo.org/home/guidelines/ckd-evaluation-management)
  1. Drogas utilizadas na prática clínica podem ter os níveis séricos aumentados nos pacientes que realizam diálise. Considerar utilizar, então, doses menores nestes pacientes.
    1. Atenolol é removido 75% na diálise ( carvedilol e labetalol não são removidos)
    2. Hidralazina e Clonidina não são removidos
    3. Enalapril e ramipril são removidos em torno de 30%. Telmizartan, candesartan, losartan e valsartan não são renmovidos
    4. Anlodipino não é removido na hemodiálise.
  1. Não devemos mais utilizar o Cockroft Gault para avaliar pacientes ambulatoriais!!!!!
    1. Já foi valiadado o CKD-EPI no Brasil e o número encontrado já está normatizado para 1.73m2
  1. Deve-se estimar o risco do paciente desenvolver lesão renal aguda dialítica após Cirurgia de revascularização Miocárdica
    1. Ferramenta útil para infomar aos paceintes e contactar equipe de nefrologista para avaliação precoce na UTI (http://circ.ahajournals.org/content/114/21/2208.full.pdf+html
  2. O valor da troponina I e T apresentam utilidade limitada no diagnóstico de IAM em pacientes nefropatas
    1. Apresentam sensibilidade e especificidade muito varáveis nos pacientes com doença renal crônica (http://annals.org/article.aspx?articleid=1895305)
  3. Avaliar o consumo de Sal dos pacientes em urina de 24 horas
    1. Dividir o valor de Sódio em mmol ou mEq na urina de 24h por 17 que fornecerá o valor deNaCl estimado, consumido por dia (40% do NaCl corresponde ao Sódio em mEq.
  1. O uso de Eritropoetina deve ser realizado apenas nos pacientes em que outras causas de anemia foram descartadas
    1. Não deve-se elevar para mais de 12g/dL o nível de Hemoglobina
    2. Pode ocasionar hipertensão e eleva a chance de trombose (cuidado em pacientes com FA)
  1. Apenas poucos pacientes apresentam benefícios de intervenção no tratamento da estenose de artéria renal, os grupos possivelmente beneficiados são:
    1. EAP e IC descompensada
    2. Piora progressiva da função renal
    3. Angina instável
  1. Pacientes com Doença renal crônica devem ser encaminhados ao especialista quando a TFG estiver < 30mL/min/1.73m2.
    1. Em pacientes com TFG entre 30-60mL/min/1.73m2 devem ser acompanhados a cada 6 meses avaliando PTH, Fosforo e hemoglobina. PA deve ser de até 130 x 80mmHg e se houver proteinúria > 1g objetivar PA 125 x 75mmHg ( utilizando sempre que possível IECA/BRA)
  1. Em paciente com DRC estágio 4 (TFG 30-15mL/min/1.73m2) secundária à hipertensão deve ser tentado o uso de IECA ou BRA
    1. Inicia-se em doses baixas e deve ser titulado até a dose mais elevada tolerada.
    2. Esta medida evita progressão para diálise
fonte:http://cardiopapers.com.br/
Postar um comentário

Comentarios