SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Após transferir reforma agrária para Casa Civil, Temer recebe José Rainha Ex-líder do MST foi ao encontro com dirigentes da Frente Nacional de Luta. FNL afirmou ao final da audiência que cobrou de Temer recriação do MDA.

Michel Temer recebe no Palácio do Planalto o ex-líder do MST José Rainha (Foto: Beto Barata / Presidência)Michel Temer recebe no Palácio do Planalto o ex-líder do MST José Rainha (Foto: Beto Barata / Presidência)
Dois dias após transferir as secretarias responsáveis pelas políticas de reforma agrária do Ministério do Desenvolvimento Social para a Casa Civil, o presidente em exercício, Michel Temer, recebeu nesta quarta-feira (1º) o ex-líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) José Rainha. Integrantes da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL), entidade na qual Rainha milita atualmente, também participaram da audiência no Palácio do Planalto.Um dos principais expoentes do MST, José Rainha foi afastado do comando do movimento, em 2007, por divergências políticas com a cúpula da entidade.
Ele se reuniu com o presidente em exercíco para, entre outros assuntos, cobrar a recriação do Ministério do Desenvolvimento Agrário, pasta que era responsável pela administração das políticas de reforma agraria e que foi extinta quando Temer assumiu interinamente a Presidência.
Inicialmente, o peemedebista havia fundido os ministérios do Desenvolvimento Agrário e do Desenvolvimento Social. A medida gerou fortes críticas dos movimentos sociais ligados aos trabalhadores do campo.
Pressionado pelo presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), que foi um dos principais articuladores do impeachment da presidente Dilma Rousseff, Temer decidiu transferir as pastas ligadas à reforma agrária para a Casa Civil, atualmente sob o comando do ministro Eliseu Padilha (PMDB-RS).
Após a audiência com Temer, José Rainha não falou com a imprensa. Coube ao dirigente nacional da FNL Carlos Lopes se manifestar em nome da entidade.
“Na reunião, falamos sobre a extinção do MDA. O campo não aceitará isso. Esta foi a forma como a FNL se projetou. O presidente [Temer] disse que, da forma que todo o ministério se encontrava, era preciso fazer uma repactuação da administração pública em razão do déficit. E ele assumiu o compromisso junto às classes do campo de construir as condições para que o MDA volte, pois o MDA atende a um público de 36 milhões de brasileiros”, disse Carlos Lopes ao deixar o Palácio do Planalto.
Criada em 1982 como Ministério Extraordinário para Assuntos Fundiários, a pasta foi transformada, em 1985, no Ministério da Reforma e do Desenvolvimento Agrário. Cinco anos mais tarde, o ministério foi extinto e suas atribuições foram incorporadas pelo Ministério da Agricultura. Em 1996, a pasta voltou a ter status de primeiro escalão, chamado de Ministério Extraordinário de Política Fundiária. Em 2000, passou a se chamar Ministério do Desenvolvimento Agrário, nome que manteve até maio deste ano.Intermediário'
O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, também participou da audiência de Temer com os integrantes da FNL. Ele se apresentou à imprensa como “intermediário” do encontro.
Na avaliação do parlamentar do Solidariedade, que tem se reunido frequentemente com Michel Temer, o peemedebista não poder governar “só para os ricos”.
De acordo com a Casa Civil, foi a pedido do Solidariedade que o governo decidiu transferir as secretarias da reforma agrária para dentro do Palácio do Planalto. Nos bastidores, Paulinho também pressiona para indicar os gestores das pastas ligadas à questão fundiária.
Paulinho da Força relatou que, embora a FNL tenha cobrado de Temer a recriação do Ministério do Desenvolvimento Agrário, o presidente em exercício disse na reunião com os líderes do movimento rural que só discutirá uma eventual “reformulação” se o Senado afastar Dilma definitivamente do comando do Palácio do Planalto. Atualmente, a petista está afastada por até 180 dias em razão de o senadores terem aprovado a admissibilidade do processo de impeachment.
Postar um comentário

Comentarios