SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Temer recebe governadores em busca de solução para a dívida dos Estados O presidente em exercício quer evitar um possível efeito cascata após o governo do Rio de Janeiro decretar calamidade pública

O presidente em exercício Michel Temer em reunião no Ministério da Justiça (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O presidente em exercício, Michel Temer, recebe nesta segunda-feira (20), às 15h, os governadores para tratar da renegociação dadívida dos estados. Na sexta-feira (17), após o decreto de calamidade pública anunciado pelo governo do Rio de Janeiro, o presidente não quis comentar o assunto e disse que o tema seria tratado na reunião de hoje.
Segundo interlocutores, Temer prefere a cautela a fim de evitar um possível efeito cascata, no qual outros Estados possam seguir o mesmo caminho para tentar pressionar o governo por mais recursos.
Os governos federal e estadual estudam desde a semana passada uma saída legal para que a União preste socorro financeiro emergencial ao Rio de Janeiro, a fim de garantir recursos ainda pendentes para a Olimpíada - além do dinheiro para pagar salários atrasados de servidores.
Conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo, depois do aceno do socorro de R$ 3 bilhões para o Rio de Janeiro, a ala política do governo defende um alívio maior que o oferecido pelo Ministério da Fazenda: uma moratória de dez meses. Um prazo maior para a carência deve servir como uma espécie de armistício na disputa que está sendo travada há meses em torno da questão dos débitos.
O Ministério da Fazenda ofereceu apenas um mês de suspensão de 100% dos débitos e uma queda gradual da carência de 5% a cada mês.
fonte:http://epocanegocios.globo.com/
Postar um comentário

Comentarios