SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Gleisi é humilhada por Senadora, se irrita e vai embora de “cabeça baixa”

Sem título

Na última sexta-feira, dia 22, foi exibido um debate entre as senadoras Ana Amélia (PP-RS) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) na TV Senado. O assunto discutido foi o processo de impeachment de Dilma Rousseff.
Ana Amélia esclarece que a campanha de Dilma, em 2014, foi fraudulenta, o que corrobora o parecer do procurador Ivan Claudio Marx, que reconheceu a prática de estelionato eleitoral na campanha da presidente afastada. Amélia lembrou, ainda, que durante a corrida eleitoral Dilma chegou a dizer que faria “o diabo para ganhar”.
Gleisi insistiu na narrativa de que o impeachment é um golpe de estado, mas Amélia reforçou que todo o processo tem uma sólida base jurídica e o apoio de mais da metade da população, que se sentiu lesada pelas promessas não cumpridas durante a campanha eleitoral de 2014.
A votação final do impeachment se dará em agosto, o Senado irá decidir se Dilma volta ao cargo ou se ela sai definitivamente. Até o momento tudo indica que será o fim para a petista, o próprio partido já não acredita mais em sua volta e Dilma, mais do que nunca, já tem aceitado a derrota. Segundo seu ex-marido e pai de sua filha, Carlos Araújo, ela já está estudando sua volta para o Rio Grande do Sul.
Em certo momento do debate, a própria Gleisi Hoffmann confirma que Dilma assinou, de fato, três decretos, mas voltou atrás tentando jogar a culpa no Ministério do Planejamento, esquecendo-se de que seu marido, Paulo Bernardo, já ocupou a liderança dessa pasta, e esquecendo-se que a própria Dilma é quem nomeia os ministros.
O debate está dividido em duas partes. Confira:
Parte 1
Parte 2
Postar um comentário

Comentarios