SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Acionado na ONU, Moro dá aula de tática para Lula. Petista fica com um novo abacaxi para descascar

moro leciona

Acusado no Comitê de Direitos Humanos da ONU de cometer arbitrariedades na Lava Jato, o juiz Sérgio Moro deu uma lição de tática a Lula, seu detrator. Contra a vontade da Procuradoria da República, o doutor mandou soltar o marqueteiro do PT João Santana e a mulher dele, Mônica Moura.
Representante de Lula na ONU, o advogado Geoffrey Robertson, um australiano que se estabeleceu no Reino Unido, tachou de “primitivo” o sistema penal brasileiro. Declarou que “o juiz tem o poder de deter indefinidamente até obter uma confissão e a delação premiada.”
Pois bem. Sem ter firmado nenhum acordo de delação, Santana e Mônica já confessaram ter recebido US$ 4,5 milhões em verbas ilegais por serviços prestados ao comitê Dilma-2010. Ganharam o meio-fio sem tornozeleira. Devem virar delatores em liberdade. Longe das grades, entregarão Dilma-2014 —guiçá o próprio Lula-2006— em troca de redução da pena.
Moro deixou claro que a pena virá. O juiz não comprou o álibi do caixa dois. “…Não é provavelmente verdadeiro e ainda que o fosse não elimina a responsabilidade individual”, anotou num despacho. Contra o antídoto de Santana, que estimou em “98%” as campanhas eleitorais que operam com caixa dois, Moro reforçou o veneno: “Se um ladrão de bancos afirma ao juiz como álibi que outros também roubam bancos, isso não faz qualquer diferença em relação à sua culpa.”
De resto, a maleabilidade de Moro revelou-se providencialmente seletiva. O magistrado liberou Santana e Mônica. Mas manteve presos, a título de fiança, R$ 31,5 milhões amealhados pela dupla. Lula que se vire para explicar, na ONU e alhures, como “não sabia” que os responsáveis pelo marketing das campanhas presidenciais do PT haviam se transformado em alvos tão prósperos do sistema penal “primitivo”
fonte:https://cesarweis.com
Postar um comentário

Comentarios