SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

inversão de valores policial que MATOU 3 marginais ja foi EXPULSO do UBER.html

  Resultado de imagem para INVERSÃO de valores. Policial que MATOU 3 marginais já foi ...Policial que MATOU 3 marginais é EXPULSO do UBER
 
Acusações de excessos e conduta inadequada indignam militares e sociedade decente de todo o BRASIL.
O policial, que obviamente por causa dos baixos salários também trabalha como motorista do UBER, recebeu de uma mulher a chamada para transporte de passageiros. No local marcado estavam os três marginais, que embarcaram no automóvel e determinaram que fosse a outro local apanhar mais uma passageira.
 
Quando o automóvel parou um dos marginais anunciou o assalto. O Policial esperou a oportunidade e reagiu, os três marginais morreram como consequência de seu próprio crime.
 
Atenção, a própria montagem da frase indica a tendência da fonte. Dizer que “três jovens morreram como consequencia da reação de um policial” é injusto e tendencioso. A frase correta é “três marginais morreram como consequencia de sua própria ação criminosa
  De acordo com Ariel de Castro, membro do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, “aparentemente houve um excesso do exercício de legítima defesa”. “A partir do momento que ele agride um que já estava rendido, caído no chão, e persegue outro que já tinha fugido, ele se excede na utilização dos meios necessários para se defender”.
O representante dos direitos humanos obviamente está equivocado.
Qualquer pessoa sensata que observa o vídeo acima tem que inferir o nível de tensão e possibilidades de evolução que existem em uma situação como essa. Independente de ter se afastado é obvio que qualquer desses marginais que correu poderia voltar, ou mesmo atirar contra o policial de local mais distante.
Poderiam também fazer alguma pessoa de refém, roubar um automóvel etc. Caso isso ocorresse muito possivelmente alguém iria responsabilizar o militar por negligência, ação fora dos procedimentos etc.O polícial, que lutava contra três, tinha que nentralizá-los. Com uma pistola – numa situação como essa – ninguém tem tempo de “atirar pra matar”, como foi dito. Apenas se age rapidamente para neutralizar o inimigo.
Seria interessante que membros dessas entidades de direitos humanos vestissem uma farda e passassem pelo menos uma semana acompanhando ações de policiais militares para que sintam na pele o que é ser visto como alvo e ter sua vida ameaçada ininterruptamente durante todo o tempo.
 
  A nota do Uber foi: “Durante uma viagem solicitada por meio do aplicativo, a Uber proíbe o porte de armas de fogo de qualquer natureza a bordo do veículo, tanto para motoristas parceiros quanto para usuários. Qualquer pessoa que viole esta proibição perderá o acesso à plataforma da Uber”
FONTE:http://www.sociedademilitar.com.br/
Postar um comentário

Comentarios