SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Presidente da Câmara sobre invasão: ‘Serão todos presos’ Rodrigo Maia classificou grupo que tomou o plenário em defesa da intervenção militar como 'baderneiros irresponsáveis'

   O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) - 13/09/2016
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira que todos os que participaram da invasão ao plenário da Casa serão presos. Bastante irritado, o parlamentar se referiu ao grupo como “baderneiros irresponsáveis”. Os invasores começaram a desocupar o local por volta das 17h20. Todos saíram escoltados pela Polícia Legislativa e foram encaminhados para o registro da ocorrência.
“A ordem que dei ao diretor do Departamento de Polícia Legislativa é que todos saiam presos e sejam levados à Polícia Federal. Não vamos aceitar esse tipo de abuso, de agressão ao Parlamento brasileiro”, afirmou Maia. O grupo chegou a apresentar um advogado para falar em nome dos invasores já no fim da tarde, mas a ideia foi rechaçada pelo deputado. “Negociação a gente faz antes de os baderneiros quebrarem o plenário da Câmara. A polícia vai prender todos e levá-los à PF. Muitos crimes foram cometidos por esses bandalheiros e nossa obrigação é determinar a prisão deles, como foi feito”, prosseguiu.
Embora muitos dos manifestantes estivessem trajados com roupas vetadas no Congresso, Maia negou que tenha havido falha de segurança. O grupo não apresentou nenhum líder e exigiu genericamente a presença de um general na tribuna, mas não apontou o nome de algum militar que pudesse intermediar a negociação.Como saldo da ação, a porta principal de acesso ao plenário terminou em cacos no chão. Os manifestantes também conseguiram que a sessão fosse suspensa, o que impediu que a comissão especial dedicada a analisar as medidas anticorrupção se reunisse para votar o texto.
fonte:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios