SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sábado, 10 de dezembro de 2016

A decisão de Selena Gomez alerta: as redes sociais são nocivas? Recentemente, celebridades como Selena Gomez e Justin Bieber afirmaram que usariam menos as redes sociais como o Instagram. Essa é uma atitude tão drástica?

A cantora Selena Gomez chora ao cantar música que seria endereçada para o ex, Justin Bieber
Segundo especialistas, ainda vai levar um tempo para descobrirmos os reais "efeitos colaterais" da super exposição das pessoas nas redes sociais. Mas o ideal para evitar problemas, como em tudo na vida, é o equilíbrio, ou seja, saber usar com moderação. (Reprodução/VEJA)
Em agosto, a cantora Selena Gomez decidiu dar um tempo das redes sociais, especificamente do Instagram. O acontecimento veio no momento em que a jovem interrompeu sua carreira para cuidar da saúde. Selena estava sofrendo de ansiedade e depressão, como efeitos colaterais do lúpus, doença autoimune sem cura onde o sistema imunológico passa a atacar seus próprios tecidos.

Na mesma época, o cantor Justin Bieber, que também é ex-namorado de Selena, abandonou a rede social após uma discussão com a ex. E, durante um show realizado terça-feira ele afirmou que não quer voltar ao Instagram e que a rede social “é coisa do demônio”.

Ao contrário de Justin, Selena voltou à rede social. Mas afirmou que não quer ver os corpos dos fãs no Instagram. “Eu quero ver o que está aqui dentro (no coração). Eu não estou tentando conseguir validação, e nem preciso mais disso.”, disse durante o American Music Awards (Ama) onde levou o prêmio de Melhor Artista Pop. Mesmo com o “sumiço” de 14 semanas, a cantora é a pessoa mais seguida do mundo na rede social, com 103 milhões de seguidores no Instagram, além de ser dona da foto mais curtida, com 5,9 milhões de likes.
Veja também

SaúdeMuito tempo no celular prejudica desempenho acadêmico de universitários, diz estudoquery_builder9 dez 2013 - 19h12

SaúdeProblemas com sono podem levar a vício em redes sociaisquery_builder12 fev 2016 - 16h02

Selena e Justin fazem parte de uma geração que cresceu com a internet e com as redes sociais. O cantor, inclusive, foi descoberto após ter um vídeo seu cantando divulgado no YouTube. Mas, até que ponto essa super exposição se torna um problema? Quando é realmente necessário tomar a drástica decisão de sair da rede social?

Para a psicoterapeuta Aline Gomes, a nova geração – caso de Justin e Selena – é criadora e cobaia desse novo estilo de vida de super exposição em redes sociais.“Ao tirar fotos legais, em lugares legais, de comidas gostosas, as pessoas ganham muitos likes e ficam felizes. Por outro lado, quando há um acontecimento negativo [como na briga entre Selena e Bieber no Instagram] o alcance e a repercussão disso também é muito maior e isso pode gerar cobranças e uma superexposição desnecessária que traz prejuízos psicológicos para a pessoa”, diz Aline.

Como tudo isso ainda é muito novo, segundo a psicoterapeuta, ainda vai demorar um tempo para que se descubra de fato todos os “efeitos colaterais” das redes sociais. No entanto, para Aline não é preciso ser radical. A não ser em casos extremos, como no de Selena.

“Ela [Selena] mostrou aos jovens que o uso exagerada do Instagram também tem o lado ruim e que é possível e inclusive pode ser benéfico viver sem isso, mesmo que só por um tempo. Mas, como tudo na vida, o segredo é o equilíbrio.”, afirma.

Atualmente é muito difícil as pessoas se desconectarem. Mesmo em durante as refeições e em encontros com a família ou os amigos não é raro vermos cada um mexendo no seu smartphone e vivendo em seu próprio mundo em vez de interagir pessoalmente ou aproveitar o momento.

“Mesmo quem não tem o costume de publicar muito, fica fuçando e controlando a vida dos outros. Ir a um restaurante e se desligar, conversar com as pessoas que estão ali, aproveitar e saborear a refeição sem a interferência de um celular faz muito bem”, diz Aline.
fonte:http://veja.abril.com.br/
Postar um comentário

Comentarios