SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Argentina assumirá presidência do Mercosul em 1º de janeiro A ministra das Relações Exteriores argentina deu a entender que a Venezuela não estará presente no encontro de chanceleres do Mercosul na semana que vem



Mercosul (Divulgação/Divulgação)


A Argentina assumirá a presidência rotativa do Mercosul no próximo dia 1º de janeiro, mas sem a tradicional cúpula presidencial, informou nesta quinta-feira a ministra das Relações Exteriores argentina, Susana Malcorra, ao lado do chanceler José Serra.

Malcorra disse que os chanceleres dos quatro países fundadores do Mercosul se encontrarão na próxima semana em Buenos Aires para começar a discutir o plano de ação para o primeiro semestre de 2017 e deu a entender que a Venezuela não estará presente.

“O que aconteceu com a Venezuela não é uma suspensão. É uma cessação de sua participação no Mercosul”, segundo decidiram Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, já que esse país não se adaptou às normas do Mercosul quatro anos após o início de seu processo de adesão ao bloco, explicou Malcorra.A chanceler argentina ressaltou, no entanto, que as quatro nações fundadoras do Mercosul mantêm a “esperança de que a Venezuela se adeque o mais rápido possível (à legislação do bloco) e que, quando se corroborar seu nível de compromisso, volte a ser membro”.

Mesmo assim, Malcorra salientou que “uma pessoa não pode ser sócia de um clube e ter direitos de acesso sem ajustar-se às obrigações”.

Em relação aos próximos meses, considerou que o Mercosul deve tentar acelerar as negociações para um acordo comercial com a União Europeia (UE), sobretudo pelo cenário propício que foi criado com a decisão do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, de botar um freio nos acordos bilaterais negociados por seu país.

“A chegada de Trump pode interromper as negociações entre os Estados Unidos e a UE e queremos aproveitar a oportunidade para movimentar a agenda do Mercosul o mais rápido possível”, frisou a ministra argentina.

Em sua primeira visita oficial ao Brasil, Malcorra foi recebida pelo presidente Michel Temer, com quem passou em revista, segundo disse, “toda a agenda” bilateral e regional, e houve uma total coincidência no sentido de “apostar no Mercosul”, mas “em um Mercosul mais aberto ao mundo”.

(Com EFE)
Postar um comentário

Comentarios