SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Ato contra pacote anticrise acaba novamente em confronto no Rio Medidas anticrise do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) começariam a ser votadas hoje na Assembleia Legislativa (Alerj), no centro do Rio

Protesto em frente à Alerj
Uma manifestação de servidores do Estado do Rio de Janeiro acabou novamente em confronto com a Polícia Militar nesta terça-feira no centro do Rio. O protesto é contra o pacote de medidas anticrise do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que começaria a ser votado nesta terça-feira na Assembleia Legislativa (Alerj). A confusão teria começado quando manifestantes jogaram objetos em direção ao Palácio Tiradentes, sede da Alerj. A PM revidou com dezenas de bombas de gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. O efetivo também é reforçado com homens da Força Nacional.A intenção dos atos, que começaram em novembro, tão logo o pacote foi enviado à Alerj, é pressionar os deputados a rejeitá-lo integralmente. Na pauta desta terça, estão duas propostas que eles não se opõem propriamente: a redução dos salários do governador, do vice e de secretários estaduais, e o fim da frota de veículos funcionais. Mas os manifestantes acreditam que o calendário da Alerj foi definido de modo a dar a impressão de que o governo está “cortando na própria carne” para depois penalizar o funcionalismo.
“Não estamos focados na pauta de hoje. Queremos a devolução integral do pacote do Pezão. A partir da prisão do (ex-governador Sérgio) Cabral, ficou provado que o governo não tem condições morais e éticas de penalizar o servidor”, disse o presidente da Associação dos Bombeiros do Estado, Mesac Eflaim.Os servidores cogitam acampar em frente à Alerj. Participam do ato desta terça as áreas da segurança, sistema penal e da educação, entre outras.
fonte:http://veja.abril.com.br/

(Com Estadão Conteúdo) 
(Com Estadão Conteúdo) 
Postar um comentário

Comentarios