SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

CVM veta indicação de ex-assessor de Dilma para empresa de energia do Rio

   BRASÍLIA, DF, BRASIL, 01-11-2010. 10h40: Assessor Giles Azevedo chega a casa da presidente eleita Dilma Rousseff, no Lago Sul. (Foto: Alan Marques/Folhapress, PODER)
NICOLA PAMPLONA
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em decisão inédita, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) vetou a indicação de Giles Azevedo, que foi assessor da ex-presidente Dilma Rousseff, para o conselho de administração da Light, distribuidora de energia que atende parte do Estado do Rio.
A informação foi divulgada pelo jornal "Valor Econômico" nesta quinta (29).
O veto foi decidido em reunião realizada na terça (27) e se baseia na nova Lei das Estatais
sancionada pelo presidente Michel Temer no fim de junho. O artigo 17 da lei veda a indicação de pessoas que tenham participado de campanha eleitoral nos últimos 36 meses.
Azevedo participou da campanha de Dilma nas eleições de 2014. Ele foi indicado ao conselho da Light pela Cemig, distribuidora estatal de Minas Gerais, que é a maior acionista individual da Light, com 26,06% de participação no capital da companhia.
Apesar de a Light ser uma empresa privada, a diretoria da CVM entendeu que a Cemig teria que seguir a Lei das Estatais nas indicações que faz em empresas investidas.
Em seu voto, o presidente da CVM, Leonardo Pereiro, destacou "a inegável e determinante influência da Cemig, responsável pela indicação do Sr. Giles, nos negócios da Light".
A indicação foi questionada na CVM pelos investidores Tempo Capital Principal Fundo de Investimentos em Ações e Victor Adler.
fonte:http://tnonline.uol.com.br/
Postar um comentário

Comentarios