SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

domingo, 15 de janeiro de 2017

Imprensa internacional destaca violência em presídio do RN


zoom_out_map
1/6 Rebelião Penitenciária Estadual de Alcaçuz na Grande Natal (RN) (Frankie Marcone/Futura Press/Folhapress)

2. R
zoom_out_map
2/6 Policiais militares entraram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, na Grande Natal (RN), na manhã deste domingo (15),com veículo blindado, vans e carros e terminaram com rebelião que já durava mais de 14 horas. (Frankie Marcone/Futura Press/Folhapress)
zoom_out_map
3/6 Policiais militares entraram na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, na Grande Natal (RN), na manhã deste domingo (15),com veículo blindado, vans e carros e terminaram com rebelião que já durava mais de 14 horas. (Frankie Marcone/Futura Press/Folhapress)
zoom_out_map
4/6 Foto de presos utilizando colchões para atear fogo e cabeças decapitadas espalhadas pelo pátio de alcaçuz (Reprodução)
zoom_out_map
5/6 Rebelião Penitenciária Estadual de Alcaçuz na Grande Natal (RN) (Frankie Marcone/Futura Press/Folhapress)
zoom_out_map
6/6 Detentos fazem rebelião no maior presídio do Rio Grande do Norte – 14/01/2017(PM-RN/Divulgação)

A rebelião que destruiu parcialmente a Penitenciária Estadual de Alcaçuz e terminou com a morte de até 20 presos, na região metropolitana de Natal, no Rio Grande do Norte, foi destaque na imprensa internacional.
O americano The New York Times publicou duas reportagens sobre o caso. A matéria destaca a violência com que os presidiários foram mortos — 25 teriam sido mutilados e decapitados — e que 40% dos internos ainda aguardam a sentença.
Veja também
Líderes da rebelião no RN são ligados ao PCC
“Eles mataram e arrancaram as cabeças”, diz agente no RN
Já o britânico The Guardian apontou que é mais um episódio de uma escalada de violência da guerra das gangues brasileiras por controle do território do tráfico de drogas.
O Clarín, o principal jornal argentino, destacou também a superlotação do presídio: 1083 pessoas concentradas em um espaço que suporta 620 presos.

Também nos Estados Unidos, a rede televisão CNN detalhou os lados do conflito — o PCC (Primeiro Comando da Capital) e do Sindicato do Crime do Rio Grande do Norte.

( function() {
var func = function() {
var iframe_form = document.getElementById(‘wpcom-iframe-form-4e269bb62bac5caa4145b923ac4605a8-587be463cefba’);
var iframe = document.getElementById(‘wpcom-iframe-4e269bb62bac5caa4145b923ac4605a8-587be463cefba’);
if ( iframe_form && iframe ) {
iframe_form.submit();
iframe.onload = function() {
iframe.contentWindow.postMessage( {
‘msg_type’: ‘poll_size’,
‘frame_id’: ‘wpcom-iframe-4e269bb62bac5caa4145b923ac4605a8-587be463cefba’
}, window.location.protocol + ‘//wpcomwidgets.com’ );
}
}

// Autosize iframe
var funcSizeResponse = function( e ) {
var origin = document.createElement( ‘a’ );
origin.href = e.origin;

// Verify message origin
if ( ‘wpcomwidgets.com’ !== origin.host )
return;

// Verify message is in a format we expect
if ( ‘object’ !== typeof e.data || undefined === e.data.msg_type )
return;

switch ( e.data.msg_type ) {
case ‘poll_size:response’:
var iframe = document.getElementById( e.data._request.frame_id );

if ( iframe && ” === iframe.width )
iframe.width = ‘100%’;
if ( iframe && ” === iframe.height )
iframe.height = parseInt( e.data.height );

return;
default:
return;
}
}

if ( ‘function’ === typeof window.addEventListener ) {
window.addEventListener( ‘message’, funcSizeResponse, false );
} else if ( ‘function’ === typeof window.attachEvent ) {
window.attachEvent( ‘onmessage’, funcSizeResponse );
}
}
if (document.readyState === ‘complete’) { func.apply(); /* compat for infinite scroll */ }
else if ( document.addEventListener ) { document.addEventListener( ‘DOMContentLoaded’, func, false ); }
else if ( document.attachEvent ) { document.attachEvent( ‘onreadystatechange’, func ); }
} )();Corpos são retirados neste domingo (15) da Penitenciária Federal de Alcaçuz, na região metropolitana de Natal (RN). A rebelião durou cerca de 14h e teve pelo menos 27 mortos.




Fonte VEJA
Postar um comentário

Comentarios