SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

‘Não tinha nenhum santo’ entre os presos mortos, diz governador Em entrevista a rádio, José Melo (Pros) afirmou que rebelião foi resultado de uma "guerra de facções" e que entre os mortos havia estupradores e matadores






BRASÍLIA, DF, 19.05.2014: ENTREVISTA/JOSÉ MELO/DF - O governador do Amazonas, José Melo de Oliveira (PROS), fala com jornalistas sobre a saída do PT (Partido dos Trabalhadores), da base de seu governo, nesta segunda-feira (19), em Brasília. (Foto: Alan Marques/Folhapress)

O governador do Amazonas, José Melo (Pros), afirmou nesta quarta-feira que “não tinha nenhum santo” entre os 56 detentos mortos na rebelião ocorrida no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus. O motim, que durou dezessete horas, começou no último domingo e terminou só na segunda-feira.

“O que eu sei te dizer é que não tinha nenhum santo. Eram estupradores, eram matadores que estavam lá dentro e pessoas ligadas a outra facção, que é minoria no Estado do Amazonas. Ontem, como uma medida de segurança, nós retiramos todos ainda ligados a essa facção e segregamos em outro presídio para evitar que continuasse acontecendo o pior”, disse o governador, em entrevista à Rádio CBN, referindo-se à transferência de mais de 150 presos ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC) para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, também em Manaus, nesta terça-feira.

Segundo informações do governo amazonense, as mortes foram resultado de um ataque do grupo Família do Norte (FDN), vinculado ao Comando Vermelho, contra integrantes do PCC. Desde o meio do ano passado, as duas organizações criminosas começaram a se enfrentar pelo domínio do tráfico de drogas no país.

Na entrevista, o governador frisou que a “guerra de facções” foi o que motivou a rebelião, apesar de o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, ter dito ontem que metade dos mortos não tinha ligação com organizações criminosas. Questionado sobre a declaração de Moraes, Melo desconversou: “Eu não posso fazer nenhum comentário sobre o que o ministro falou”.

“O fato que aconteceu aqui em Manaus. que foi motivo de muita tristeza para todo mundo, foi a briga de facções criminosas, fato que começou em São Paulo, depois foi para o Rio de Janeiro, se espalhou pelo Nordeste, já aconteceu em todos os Estados do Norte. E o último é o Amazonas, que aconteceu numa violência sem comum”, completou o governador. Melo também afirmou que a superlotação nos presídios é resultado da ofensiva do seu governo no combate ao tráfico de drogas no Estado, que “praticamente dobrou a população carcerária.”

O governador também defendeu a criação de um fundo nacional com repasse dos Estados para ampliar a atuação das Forças Armadas nas fronteiras do país. Segundo Melo, o objetivo é impedir que as drogas “saiam dos países produtores para chegar às áreas urbanas do Brasil”.
fonte:veja
Postar um comentário

Comentarios