SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

domingo, 15 de janeiro de 2017

Todos contra o terror: o dramático cerco a Mossul VEJA foi ao coração da grande batalha do Oriente Médio, na capital iraquiana do Estado Islâmico



RUMO AO FRONT - Membros das milícias xiitas ao cruzar o deserto para interceptar os combatentes do EI que tentam fugir para a Síria (André Liohn/VEJA)

Em uma região inóspita do norte do Iraque, onde não havia nenhuma duna, árvore nem construção que pudessem impedir a visão do horizonte em todas as direções, homens armados suportavam dias de vento, frio e chuva em trincheiras lamacentas enquanto observavam a distância os movimentos uns dos outros. De repente, numa segunda-feira à tarde de dezembro, dois carros-bomba conduzidos por terroristas do Estado Islâmico (EI) entraram em cena a toda a velocidade. Os veículos foram destruídos antes de alcançar as trincheiras onde combatentes de uma milícia xiita, as Forças de Mobilização Popular (FMP), estavam abrigados. Em meio ao estrondo e aos traços vermelhos dos projéteis de metralhadoras antiaéreas, distinguia-se a voz estridente do clérigo xiita Sher Karim al Khagani gritando furioso para um soldado que se recusava a avançar até outra trincheira, dezenas de metros à frente. Alguns tentavam se proteger, ficando de bruços sobre os restos de lixo queimado. Logo surgiram três terroristas que haviam atravessado o deserto a pé com rifles Kalashnikov e explosivos amarrados ao corpo. Dois foram mortos a menos de 20 metros de uma barraca ocupada por soldados das FMP. O terceiro se explodiu enquanto tentava escalar a trincheira onde Al Khagani dava as ordens. Pedaços do seu corpo caíram sobre os combatentes. Metade do tórax e um braço ficaram no chão.

O combate foi testemunhado por VEJA, que acompanhou, por cinco dias em dezembro, uma brigada xiita das FMP iraquianas. A brigada saiu de Qayyarah, ao sul de Mossul, em direção noroeste, para fechar o cerco aos terroristas do EI. Nesse período, a reportagem viajou pelo deserto e compartilhou abrigos precários, parcas refeições e trincheiras na lama com os combatentes xiitas, enquanto enfrentavam os temidos militantes do EI com disparos de bazucas, metralhadoras antiaéreas e fuzis. Na cena acima, a milícia foi atacada em Tal Kazaf pelos carros-­bomba vindos de Tal Zalat, ambos pequenos povoados a cerca de 20 quilômetros de Mossul.

Para ler a reportagem na íntegra, compre a edição desta semana de VEJA no iOSAndroid ou nas bancas. E aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.
Postar um comentário

Comentarios