SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Chamado de inquisidor, Moro dá resposta ‘zen’ a advogado de Lula Juiz federal sequer levantou tom de voz diante de provocação de Juarez Cirino, um dos defensores do ex-presidente em ação sobre o tríplex do Guarujá

Juiz federal Sérgio Moro

O recesso do Judiciário fez bem ao fígado do juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba. Depois de se irritar e reagir aos gritos a interrupções e provocações dos advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em audiências de testemunhas no final de 2016, Moro adotou um tom “zen” no primeiro embate com os defensores do petista em 2017.
Nesta segunda-feira, durante o depoimento do ex-presidente da Petrobras José Sérgio Gabrielli na ação penal em que Lula é réu acusado de ter recebido um tríplex da empreiteira OAS no Guarujá, o magistrado insistiu em saber do ex-executivo se ele sabia os motivos políticos da troca de Nestor Cerveró por Jorge Zelada na diretoria internacional da Petrobras – um pedido do PMDB, “dono” da vaga.
Diante das negativas do ex-presidente da petrolífera e da insistência do juiz, o advogado Cristiano Zanin Martins interrompeu o depoimento acusando Moro de induzir a testemunha na resposta.
“Eu estou fazendo as perguntas, doutor, ouvi pacientemente as perguntas da defesa e do Ministério Público. Eu estou fazendo minhas perguntas”, respondeu o magistrado, que ouviu de Juarez Cirino, o outro defensor do ex-presidente: “suas perguntas são as perguntas de um inquisidor, não de um juiz”.
Apesar do tom beligerante de Cirino,  Moro sequer levantou o tom de voz ao responder: “Doutor, doutor, respeite o juízo”.

fonte:http://veja.abril.com.br/
Postar um comentário

Comentarios