SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Jovem morre após ter mangueira introduzida no ânus por colegas Os acusados se apresentaram na delegacia de forma espontânea e assumiram a culpa


Um adolescente de 17 anos morreu nesta terça-feira (14/2) após 11 dias internado depois de perder parte do intestino ao ter uma mangueira de ar comprimido introduzida no ânus.
O jovem trabalhava em um posto de gasolina em Campo Grande (MS) e teve o órgão lesionado por conta de uma brincadeira no dia 3 de fevereiro. De acordo com o G1, o dono do posto, de 20 anos, foi quem introduziu a mangueira no ânus do rapaz. Um outro suspeito, de 30 anos, é acusado de segurar o adolescente na hora do crime.Ele foi levado até a Santa Casa da cidade em estado grave e foi submetido a cirurgias. A pressão foi tão devastadora que, além de estourar o intestino grosso, a vítima teve os pulmões comprimidos, travando as válvulas respiratórias. Na terça, ele precisou voltar à ala vermelha por complicações no esôfago.
O jovem, então, sofreu uma parada cardíaca e, mesmo com a tentativa dos médicos de reanimá-lo por 45 minutos, ele morreu às 13h35, horário de Mato Grosso do Sul. O crime foi presenciado por uma criança de 11 anos. Foi dele a informação que a “brincadeira” era comum entre o adolescente e os suspeitos.
A vítima teria começado a situação, de acordo com o delegado Paulo Sérgio Lauretto. Ele teria esguichado água por debaixo de uma porta, molhando o funcionário, o que motivou tudo. Os acusados se apresentaram na delegacia de forma espontânea e assumiram a culpa. O caso não foi registrado como abuso e sim como lesão dolosa já que, segundo o delegado, faltam evidências que comprovem o teor sexual.
fonte:http://www.metropoles.com
Postar um comentário

Comentarios