bate papo FMESPERANÇANOSSA

SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Marido mata a mulher ao brincar com arma na Praia Grande Alexandre Severino de Noronha e a esposa, Francisca Marinheiro da Silva, conversavam na padaria onde eram gerentes, quando ele apontou revólver e atirou

Homem mata a esposa acidentalmente enquanto brincava com uma pistola na padaria que pertecia ao casal, na Praia Grande, litoral de São Paulo
O funcionário de uma padaria na cidade de Praia Grande, no litoral sul de São Paulo, foi preso em flagrante neste domingo após matar a mulher com um tiro. Segundo a polícia, o disparo teria sido acidental, efetuado durante uma brincadeira dentro do estabelecimento, que fica na Avenida Presidente Kennedy.
Alexandre Severino de Noronha, de 35 anos, e sua mulher, Francisca Marinheiro da Silva, de 37, ocupavam a gerência da padaria Santa Terezinha em horários alternados. Ambos estavam em um cômodo nos fundos do local quando ele retirou a arma de um armário e, durante uma “brincadeira”, removeu parte da munição e apontou para mulher. A arma disparou e atingiu o pescoço dela.
Francisca foi levada por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o pronto-socorro central de Praia Grande, onde morreu. Noronha passou mal ao receber a notícia do falecimento da mulher e precisou de atendimento.
Imagens gravadas por câmera de segurança mostram o momento em que o disparo ocorre, e Noronha tentando socorrer a mulher – ele tenta reanimá-la com massagem cardíaca.
O atirador vai responder por homicídio doloso (quando se tem intenção de matar) e porte ilegal de arma de fogo. O delegado responsável pelo caso explicou que, mesmo que o gerente não tivesse o objetivo de matar, ele assumiu esse risco ao brincar com a arma e apontá-la para a vítima.
(Com Estadão Conteúdo)
fonte:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios