SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Moro rejeita adiar ação contra Lula por causa da morte de Marisa Defesa pediu o adiamento dos depoimentos das próximas duas semanas porque a preparação ficou comprometida em razão do drama pessoal vivido pelo petista

O juiz Sérgio Moro é alvo de protestos durante evento na Universidade Columbia, em Nova York
O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba, negou nesta quarta-feira pedido de suspensão do andamento do processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com adiamento das audiências das próximas duas semanas, em razão da morte da ex-primeira-dama Marisa Letícia, na última sexta-feira.
“Apesar de trágico e lamentável acontecimento, há diversas audiências já designadas, com dezenas de testemunhas, e para as quais foram realizadas dezenas de diligências por este Juízo e pelos diversos Juízos deprecados para a sua viabilização”, escreveu Moro em despacho. “Assim, indefiro o requerido.”
Lula é réu nesse processo pelo suposto recebimento de R$ 3,8 milhões em propinas da construtora OAS por meio de reforma e ampliação de um apartamento tríplex no Edifício Solaris, no Guarujá, litoral de São Paulo – que a Lava Jato diz ser do petista, que nega – e no custeio do armazenamento de bens do ex-presidente em empresa especializada. A ex-primeira também era ré, mas a ação foi extinta em razão da sua morte.
A defesa pediu na última terça-feira o adiamento alegando que a preparação para os depoimentos ficou comprometida pelo drama pessoal vivido por Lula. O juiz – que tem sido acusado com frequência pelo petista de parcialidade no processo – destacou que as testemunhas agendadas para as próximas semanas foram arroladas pelos advogados do ex-presidente no dia 10 de outubro de 2016. “É de se concluir que a defesa já teve tempo suficiente para se preparar previamente para as inquirições em questão”, registra Moro.
(Com Estadão Conteúdo)
fonte>http://veja.abril.com.br

Postar um comentário

Comentarios