SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 16 de março de 2017

Atentado com carta-bomba na sede do FMI em Paris deixa um ferido O pacote estava destinado ao chefe do escritório, Jeffrey Franks, mas acabou ferindo uma secretária

Explosão no prédio do FMI na França


Equipes de segurança trabalham no local de uma explosão no edifício do FMI em Paris - 16/03/2017 (Christophe Archambault/AFP)

Uma pessoa ficou ferida na manhã desta quinta-feira ao abrir uma carta-bomba na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI) de Paris, informaram fontes da investigação.

Uma secretária foi atingida nas mãos e no rosto ao abrir o envelope, que estava destinado ao chefe do escritório do FMI, Jeffrey Franks, explicou o chefe regional da polícia de Paris, Michel Cadot, que se deslocou ao local. Em fala à imprensa, Cadot ressaltou que a vida da mulher não corre perigo, que a explosão não afetou nenhum órgão vital e que “os danos foram bastante limitados”.

Com relação ao pacote, que tinha chegado por correio, disse que “parece um bomba pirotécnica ou fogos de artifício”. No momento da explosão, havia três pessoas no escritório. A investigação foi encarregada aos serviços secretos e à polícia.

O fato aconteceu no edifício que o FMI compartilha com o Banco Mundial na avenida de Iena, no distrito XVI da capital francesa, que abriga várias embaixadas. O edifício foi evacuado como caráter preventivo e foi estabelecido um perímetro de segurança.

Em uma primeira resposta sobre o caso, o presidente francês, François Hollande, disse durante uma visita ao departamento de Var que era preciso falar de “atentado, não há outras palavras”. “Além da solidariedade [com o ferido], temos que encontrar os culpados”, afirmou.

(Com EFE)
fonte:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios