SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Após ‘mãe de todas as bombas’ dos EUA, Russia diz que tem ‘o pai’ Comparação entre os armamentos não-nucleares mais potentes acontece um dia após operação militar americana contra o Estado Islâmico no Afeganistão

 
Meios de comunicação russos disseram nesta sexta-feira que, se os Estados Unidos têm a “mãe de todas as bombas“, a Rússia tem “o pai de todas as bombas“, que é superior. Os apelidos fazem referência aos armamentos não-nucleares mais potentes desenvolvidos pelos dois países. A comparação foi publicada em matérias das agências de notícias RT e Sputnik um dia após os americanos usarem seu explosivo.Os americanos divulgaram na última quinta-feira que detonaram às 19h do horário local (11h30 em Brasília) um explosivo cujo nome é GBU-43/B MOAB (Massive Ordnance Air Blast bomb), no Afeganistão. A operação tinha como alvo uma base do Estado Islâmico e foi a primeira vez que este tipo de armamento foi usado em combate.
A bomba americana pesa 9,5 toneladas, em poder de penetração suficiente para destruir instalações militares subterrâneas. Foi desenvolvida durante a Guerra do Iraque e testada com sucesso em 2003. O ministério da Defesa afegão divulgou que a explosão de ontem destruiu a base e matou pelo menos 36 membros do EI.
As publicações russas, no entanto, lembram que seu explosivo não-nuclear, o Aviation Thermobaric Bomb of Increased Power (ATBIP), é mais potente. Enquanto a MOAB tem um poder de detonação equivalente a 11 toneladas de TNT, o da ATBIP é de 44 toneladas, afirma o RT.
Dessa forma, o raio de ação também seria maior: 300 metros da russa contra 140 metros da americana, relata o Sputnik. O armamento foi desenvolvido nos anos 2000 e testado com sucesso em 2007.
O senador russo Franz Klintsevich disse à agência de notícias russa Ria Novosti que avalia o uso da MOAB pelos Estados Unidos como uma demonstração de força. Mas que “os americanos deveriam parar” porque esse tipo de atitude poderia levar a “consequências imprevisíveis”.
fonte:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios