SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

domingo, 9 de abril de 2017

Capriles denuncia ataque “com bombas” a comitê de seu partido "Qual é a ordem, Maduro? Matar-nos?", tuitou

Protesto contra Nicolás Maduro em Caracas
Duas vezes candidato à presidência da VenezuelaHenrique Capriles, disse neste sábado que foi atacado com “bombas” quando estava na sede de seu partido, Primero Justicia (PJ), após participar de um protesto contra o governo de Nicolás Maduro na cidade de Caracas. “Urgente!!! Fomos atacados com bombas (…) Os bombeiros estão trabalhando no local!”, escreveu Capriles em sua conta no Twitter.
O líder da oposição, que ontem foi informado sobre sua inabilitação para cargos públicos por 15 anos, perguntou diretamente a Maduro se a “ordem” era para matá-lo junto com sua equipe de trabalho. “Qual é a ordem, Maduro? Matar-nos? Se algo acontecer, vocês sabem quem é o responsável e sabem o que têm que fazer!!!”, tuitou.
Quase imediatamente o prefeito do município de Baruta, o opositor Gerardo Blyde, disse que ninguém ficou ferido, apesar de o incêndio ter danificado a sede do partido. Blyde também declarou que o fogo foi controlado e não há risco de afetar os edifícios que cercam a sede do Primero Justicia. Em seguida, Capriles tuitou que todos estão bem – e um vídeo do incêndio.
Protesto – Capriles estava na sede do partido depois de participar de um comício da oposição para exigir a realização de eleições e apoiar uma iniciativa do parlamento para remover sete juízes do Tribunal Supremo de Justiça. Os manifestantes pretendiam chegar à sede da Defensoria Pública, mas foram dispersados com gás lacrimogêneo pelas forças de segurança venezuelanas.
Pelo menos 17 pessoas ficaram feridas nos protestos, segundo disse o prefeito de Chacao (uma das cinco divisões administrativas da capital Caracas), o opositor Ramon Muchacho: dez pessoas sofreram “contusões e lesões de vários tipos”, quatro pessoas foram feridas por pedras ou pelo impacto direto de gás lacrimogêneo, dois por complicações respiratórias e um ferido por bala de borracha.
fonte:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios