SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Dono da JBS negociava propina para o PT com Mantega, diz jornal Segundo 'O Globo', Mantega era contato de delator com o partido.

Ex-ministro Guido Mantega (Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
O empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, afirmou em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o ex-ministro Guido Mantega era o contato dele com o PT.
empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, afirmou em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o ex-ministro Guido Mantega era o contato dele com o PT.Segundo o jornal, o ex-ministro da Fazenda de Lula e Dilma Rousseff negociava o dinheiro da propina para ser distribuído aos petistas e aliados com o empresário. De acordo com Joesley, também era Mantega que operava os interesses da JBS no BNDES.
O dono da JBS relatou também que havia uma espécie de conta corrente para o PT na JBS.
Mantega não se pronunciou até o momento.
As informações fazem parte do material da delação premiada de Joesley e de seu irmão, Wesley Batista, fecharam com a PGR na operação Lava Jato.
O colunista do jornal 'O Globo' conta que os irmãos Joesley e Wesley Batista estiveram na quarta-feira passada no Supremo Tribunal Federal (STF) no gabinete do ministro relator da Lava Jato, Edson Fachin – responsável por homologar a delação dos empresários.
Diante dele, os empresários teriam confirmado que tudo o que contaram à PGR em abril foi de livre e espontânea vontade.
Os depoimentos foram coletados do início de abril até a primeira semana de maio. O negociador da delação foi o diretor jurídico da JBS, Francisco Assis da Silva, que depois também virou delator.
FONTE:http://g1.globo.com/
Postar um comentário

Comentarios