SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 18 de maio de 2017

PF cumpre mandado de busca na casa de deputado Rodrigo Rocha Loures, em Curitiba Deputado teria sido indicado pelo presidente Michel Temer para receber propina, segundo o jornal O Globo.

Residência do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), em Curitiba, é alvo de busca e apreensão (Foto: Julio Barros/RPC)
oliciais federais cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa do deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) no início da manhã desta quinta-feira (18), em Curitiba, no bairro Vista Alegre. O deputado teria sido indicado pelo presidente Michel Temer para receber propina, segundo o jornal O Globo.
Os gabinete de Rocha Loures e do senador Zezé Perrela (PSDB-MG) no Congresso também são alvos desta operação. A ação é um desdobramento da Operação Lava Jato.
Os agentes também fazem buscas no Rio de Janeiro nos apartamentos do senador Aécio Neves. Há um mandado de prisão contra a irmã dele, Andréa Neves. Um procurador da República foi preso e há mandados contra pessoas ligadas ao ex-deputado federal Eduardo Cunha.
Nesta quinta, o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou o afastamento de Rocha Loures da Câmara. Fachin também mandou afastar o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), do mandato de senador.
A operação teria tido início após a delação do dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, que entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma gravação do senador Aécio Neves pedindo a ele R$ 2 milhões. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. A informação foi divulgada pelo jornal "O Globo" na quarta-feira (17).
A gravação faz parte do material da delação premiada que Joesley e seu irmão, Wesley Batista, fecharam com a PGR na operação Lava Jato, diz o jornal. Ainda não há informação sobre se a delação foi homologada. O Supremo Tribunal Federal (STF) não se pronunciou nesta quarta-feira (17) sobre a delação.
Segundo o jornal, o empresário Joesley entregou uma gravação feita em 7 de março deste ano em que Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Loures para resolver assuntos da J&F, uma holding que controla o frigorífico JBS no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).
Rocha Loures já foi chefe de Relações Institucionais da Presidência, quando Temer era vice-presidente e assessor especial da presidência após o impeachment de Dilma Rousseff.
A reportagem relata que o dono da JBS marcou um encontro com Loures em Brasília e contou o que precisava no Cade. Pelo serviço, segundo 'O Globo', Joesley ofereceu propina de 5% e Rocha Lores deu o aval.
As negociações teriam continuado em outra reunião, entre Rocha Loures e Ricardo Saud, diretor da JBS. Foi combinado o pagamento de R$ 500 mil semanais por 20 anos, R$ 480 milhões ao longo de duas décadas. Posteriormente, Rocha Lourdes foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil, enviados por Joesley.

O outro lado

Em nota, a assessoria de imprensa de Aécio Neves afirmou que o senador "está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos".
Quer saber mais notícias do estado? Acesse o G1 Paraná.
FONTE:http://g1.globo.com/
Postar um comentário

Comentarios