SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 29 de junho de 2017

MP denuncia seis brasileiros por planejar atentados para o Estado Islâmico no país O MPF frisou que os envolvidos usavam as redes sociais e aplicativos de mensagens – como WhatsApp e Telegram

O Ministério Público Federal denunciou seis brasileiros por planejarem ataques terroristas dentro do país em apoio ao grupo extremista Estado Islâmico. Eles foram investigados pela Polícia Federal na Operação Hashtag.A denúncia dessas seis pessoas foram feitas na última segunda-feira, 26 de junho, após meses de investigação e a constatação de que houve planejamento para a execução de um atentado terrorista. A Operação Hashtag foi deflagrada como parte da prevenção a ataques durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro.
De acordo com informações do portal G1, essa é a segunda denúncia feita pelo MPF no âmbito da mesma operação, já que uma acusação havia sido feita em setembro do ano passado. Com o avanço da investigação, a PF descobriu novos suspeitos de integrar o grupo, e cinco dos seis denunciados ontem foram descobertos nessa segunda fase.O sexto denunciado já havia sido condenado na primeira fase, mas continuou cometendo crimes, segundo o MPF. Agora, enfrentarão processos por crimes de promoção ao terrorismo e associação criminosa. Se condenados, as penas podem chegar a 11 anos de prisão.
Os denunciados foram Danilo Francini dos Santos, Sara Martins Ribeiro, Fernando Pinheiro Cabral, Leandro França de Oliveira, Gilberto Gonçalves Ribeiro Filho e Mohamad Mounir Zakaria. No caso de Sara, ela é acusada de tentar recrutar outras duas mulheres para o Estado Islâmico no Brasil.
O MPF frisou que os envolvidos usavam as redes sociais e aplicativos de mensagens – como WhatsApp e Telegram – para “disseminar os ideais do Estado Islâmico e também para planejar possíveis ataques”. Eles foram enquadrados na lei antiterrorismo brasileira, assinada pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT).
Fonte:http://www.gospelgeral.com.br
Postar um comentário

Comentarios