SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 13 de julho de 2017

A condenação de Lula é boa. Mas não é o suficiente para salvar os brasileiros A prisão de Lula diminui a sensação de impunidade. Mas não resolve toda a podridão da nossa política

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva convoca entrevista coletiva a jornalistas na sede do Partido dos Trabalhadores, em São Paulo - 13/07/2017 (Nacho Doce/Reuters)


Não comemoro a prisão nem a morte de pessoas. Posso até achar que a remoção de fulano do cenário causa efeitos positivos (alguém vai negar que a queda de Mussolini foi algo bom?), mas a coisa em si — comemorar a morte, o sofrimento, a prisão, a tortura — não me atrai. Não vou censurar quem comemora, mas não é a minha.

Isso posto, a condenação de um ex-presidente tem diversos aspectos positivos e negativos. De negativo, antes de tudo o óbvio: somos governados por gângsters. O uso da justiça penal para lidar com as ações de um ex-presidente indica, no mínimo, uma grande podridão na nossa política.

Outro aspecto negativo: a criação de mártires. O discurso político petista está buscando incessantemente a imagem de que é “perseguido” e “rebelde”, mesmo que continue agindo como sempre.

A condenação de Lula é ótima — assim como o impeachment de Dilma foi, aliás — para alimentar essa noção, para reforçar a imagem “mítica” do ex-presidente. Isso costuma dar problema — independentemente de gostar do sujeito ou não, o peso de figuras mágicas intocáveis do tipo costuma enlouquecer o cenário político. É só olhar para o lado e ver o exemplo do peronismo, que é uma praga absurda e perene na Argentina.

Antes de tudo, a decisão de Sergio Moro tem como aspecto positivo o combate à sensação de impunidade. Se até o ex-presidente mais popular da história do país, um dos políticos mais poderosos e influentes por aqui, pode ser condenado, isso é ao menos um indício de que a Justiça está tocando também o andar de cima. Os alvos clássicos continuam sendo os pobres, mas há algum esforço no sentido contrário.

A minha parte positiva preferida é carregada de cinismo: o descrédito da política partidária. Contrariando alguns profetas que enxergam fascismo na descrença em relação ao sistema político, prefiro olhar para o lado bom: o ridículo de ver um poderoso político preso de maneira patética pode, em alguma instância ajudar a desiludir mais gente.

E quanto menos gente confiar na máfia violenta que é a simbiose entre Estado e grandes corporações, menor o poder do feitiço hipnótico deles. Mais abertura para buscar emancipação.

O maior efeito, porém, não é nem positivo nem negativo. Para a grande maioria do país, a vida vai continuar mais ou menos igual amanhã.

Os defensores do PT que declaram iniciado um Estado de exceção e dizem que acabou a democracia no país ignoram que esse Estado de exceção já existe há muito tempo para todo pobre. Para os padrões brasileiros, Lula teve direito a uma defesa que um Rafael Braga, preso por portar água sanitária e Pinho Sol durante uma manifestação, jamais sonharia.

Os críticos de Lula que acham que essa prisão inaugura uma nova era de honestidade e paz são ingênuos ou desonestos. Em um cenário no qual virtualmente toda liderança política conhecida é suja e no qual a organização mais basal do país fomenta e incentiva o autoritarismo e a corrupção, como a prisão de um líder só mudaria tanta coisa?

Lula é um político como foram outros. Popular, esperto, corrupto, interessado em conseguir poder. Fez alguma diferença, mas não só não é um messias como também é grande e complexa e ingovernável demais essa multidão chamada Brasil para que um homem só a controle tanto assim.

A prisão de um homem com sonhos de controle não é o suficiente para salvar nem condenar a todos nós. Convém desconfiar das ideologias de adoração ao poder que condicionam nosso destino e vida e morte à maré que carrega qualquer Grande Líder. A vida felizmente se rebela e é muito mais que isso.
FONTE:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios