SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Antes de Lula doar refinarias para a Bolívia, Petrobras investiu US$ 1,5 bilhão no país

   Evo-y-Lula-da-Silva
Lula confessou que Evo Morales pediu autorização para tomar as refinarias da Petrobras antes de tomar posse como presidente da Bolívia. Um crime premeditado.
“Ao lado do segundo homem na cadeia de comando da Bolívia (Álvaro García Linera), Lula revelou que foi consultado por Evo Morales, então candidato a presidente do país vizinho, sobre a possibilidade de estatizar as plantas da Petrobrás em território boliviano.
“O Evo me perguntou: ‘como vocês ficarão se nós nacionalizarmos a Petrobrás‘. Respondi: ‘o gás é de vocês‘. E foi assim que nos comportamos” disse Lula.”
Em 2007, o G1 fez um levantamento dos investimentos da Petrobras na Bolívia, na época, a empresa respondia por impressionantes 18% do PIB do país.
Conheça, passo a passo, a história da Petrobras na Bolívia
Empresa investiu mais de US$ 1,5 bilhão no país desde 1994. 
Antes da nacionalização, Petrobras respondia por 18% do PIB boliviano.
1991
O primeiro passo para a entrada da Petrobras no mercado boliviano foi a assinatura da Carta de Intenção de Integração Energética Bolívia-Brasil. A Petrobras começou a prospectar a possibilidade de explorar as reservas de gás natural na Bolívia.
 1994
A Petrobras começa a investir mais pesadamente na Bolívia e a procurar fontes de gás natural nas montanhas bolivianas. Desde 1994, a Petrobras investiu US$ 1,5 bilhão no país, tornando-se a maior companhia em território boliviano e respondendo por 20% dos investimentos no país.
 1995
A subsidiária da empresa brasileira passa a existir oficialmente na Bolívia. A empresa dá os primeiros passos para a operação em toda a cadeia produtiva e comercial do gás (produção, distribuição e venda).
 1996
A empresa começa a operar oficialmente, sob o nome Petrobras Bolívia S.A. (PEB). A PEB e a Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB) assinam acordo para a construção do Gasoduto Brasil-Bolívia.
 1997
Começa a construção do gasoduto Brasil-Bolívia, obra com custo total de US$ 8 bilhões, divididos entre o governo da Bolívia e a Petrobras.
 1999
Em dezembro, a Petrobras, em sociedade com a Pérez Companc, adquire as duas maiores refinarias da Bolívia: Guillermo Elder Bell, de Santa Cruz de La Sierra, e Gualberto Villarroel, de Cochabamba, criando uma nova companhia, a Petrobras Bolivia Refinación.
 2000
O gasoduto Brasil-Bolívia fica pronto. O número de funcionários da PEB, com a abertura do setor de refino, aumenta em 800%.
 2001
Com crescente atuação no refino de derivados de petróleo, a Petrobras começa atuar com rede de postos de bandeira própria na Bolívia. Hoje, um quarto dos postos de combustíveis existentes na Bolívia têm a marca Petrobras, e a empresa produz 100% da gasolina e 60% do óleo diesel consumidos pelos bolivianos.
 2002
Evo Morales, líder das comunidades indígenas, usa a nacionalização dos hidrocarbonetos como plataforma na campanha presidencial. Com seu discurso inflamado, ele cresce nas pesquisas de opinião e fica em segundo lugar.
 2005
A participação da empresa do Produto Interno Bruto (PIB) boliviano é de 18%; a empresa responde por 24% dos impostos arrecadados no País. No fim do ano, Evo Morales é eleito presidente da Bolívia.
 2006
Ao tomar posse, Evo Morales avisa que nacionalizará o setor de petróleo no país. Em 1º de maio, o presidente promove a invasão de refinarias da Petrobras; em setembro, o decreto de nacionalização dos hidrocarbonetos é assinado e começa a negociação de ressarcimento da Petrobras.
 2007
Bolívia e Petrobras negociaram, em maio, o valor a ser pago à Petrobras pela nacionalização das refinarias. Embora inicialmente a empresa quisesse US$ 200 milhões pelos ativos, ficou decidido em acordo que o valor de venda seria de US$ 112 milhões. A empresa havia comprado os ativos em 1999, por US$ 104 milhões, tendo investido US$ 30 milhões em melhorias.
Não foi só a tomada das refinarias da Petrobras que lesou o contribuinte brasileiro, o presidente Evo Morales pediu como favor político que Lula desrespeitasse o contrato de fornecimento de gás feito em 1996 e pagasse um “adicional” para indenizar o país vizinho.
Os questionamentos na época foram feitos pelo procurador Júlio Marcelo de Oliveira (que também é responsável pela representação das pedaladas fiscais no TCU). O Brasil pagou impressionantes  US$ 434 milhões para o governo boliviano. Segundo o a Coluna Esplanada do UOL, o “adicional foi um acordo político de aliados: um pedido de Evo para o então presidente Lula, anos atrás, que se formalizou mês passado (09/2014)”.
Em 2009, o BNDES aprovou US$ 332 milhões para a construção de uma estrada na Bolívia, mais da metade das obras foi tocada pela OAS, porém, por conta de protestos indígenas locais, o empreendimento foi suspenso. O governo da Bolívia se negou a pagar os valores recebidos pelo BNDES.
O Brasil também financiou por meio do BNDES o projeto rodoviário boliviano “Hacia El Norte“, orçado em US$ 199 milhões com a Queiroz Galvão como empreiteira responsável.
Em 2011, o Brasil assumiu o compromisso de reformar uma usina térmica brasileira por R$ 60 milhões para doá-la à Bolívia.
No começo deste ano, foi noticiado que o Brasil vai construir na Bolívia uma usina binacional hidrelétrica orçada em R$ 15 bilhões.

fonte:http://reaconaria.org/
Postar um comentário

Comentarios