SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Canadá toma decisão que irá revolucionar o mundo. ConÚra!


Um bebê canadense de oito meses é provavelmente o primeiro caso no mundo de um recém-nascido com um documento ocial em que seu gênero não é identicado. O cartão de saúde da criança, batizada como Searyl Atli, foi emitido pelo governo da Província de Colúmbia Britânica com a letra “U” no espaço reservado para “sexo”, o que pode ser interpretado em inglês como undetermined (indeterminado) ou unassigned (não atribuído). Esse fato – que parece ser inédito no mundo, segundo a imprensa canadense – era uma demanda de Kori Doty, que é pai/mãe de Searyl. Kori é transgênero, se identica como uma pessoa “não binária” – classicação usada por pessoas que não se consideram homem ou mulher – e deseja que o lho descubra por conta própria seu gênero quando for mais velho. A torre de Babel Kori tenta omitir o gênero da criança também da certidão de nascimento. Isso é negado pelas autoridades até o momento. Atualmente, as certidões de nascimento de Colúmbia Britânica só permitem que sejam designados os gêneros “masculino” e “feminino”. Por isso, Kori move uma ação contra a Agência de Estatísticas Vitais Colúmbia Britânica, órgão responsável pela emissão de registros civis. Em meio a essa disputa, no entanto, o cartão de saúde da criança foi enviado no mês passado pelo governo da Província sem a identicação de gênero.
Fonte:http://juntospelobrasil.com
Postar um comentário

Comentarios