SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Dilma perde direitos políticos em 2017. Não adiantou nada manobra suja de Renan e Lewandowski

 Imagem relacionadaA ex-presidente Dilma Rousseff está fazendo de tudo para tentar evitar mais uma derrota humilhante perante a nação. Após a manobra suja do fatiamento da votação impeachment no Senado, que lhe assegurou os direitos políticos, a petista vê agora que sua "conquista" ir para o ralo. A manutenção de seus direitos foi uma manobra da bancada petista no Senado, que contou a conivência do presidente da Casa, Renan Calheiros e do então presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Neste momento, a defesa da presidente cassada tem feito de tudo para manter o controverso benefício e mudou de estratégia preservar os direitos políticos da petista. A estratégia é a de "arrastar" o presidente Michel Temer para o seu lado como boia de salvação. Convencidos de que há no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma tendência para tornar Dilma inelegível e retirar o que ela conquistou quando o impeachment foi aprovado no Senado, seus advogados fazem de tudo para Temer não se separar do PT no processo que pede a cassação da chapa reeleita em 2014. O desespero de Dilma é tão grande que a petista chegou a publicar em seu perfil no Facebook a imagem de um cheque de R$ 1 milhão que teria entrado no caixa de sua campanha e tenta atribuir o documento ao presidente Temer. O problema é que há um consenso no TSE sobre a necessidade de separar as duas campanhas. Ninguém na Corte vê com simpatia a cassação da chapa, pois neste caso, uma nova eleição terá de ser realizada de forma indireta, pelo Congresso, hipótese que pode provocar instabilidade política. A tendência é a separação das campanhas e a condenação de Dilma por uso de caixa 2, (dinheiro desviado da Petrobras). Desta forma, Dilma fica sem o prêmio de consolação pelo impeachment e perde seus direitos políticos por 8 anos
FONTE:http://www.imprensaviva.com/2016/11/dilma-perde-direitos-politicos-em-2017.html
Postar um comentário

Comentarios