SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Ex-presidente do Peru é preso por caso Odebrecht Ollanta Humala e sua mulher são acusados de lavagem de dinheiro relacionada a subornos da empreiteira brasileira

    Ollanta Humala, ex-presidente do Peru, se apresenta à Justiça em Lima
O juiz peruano Richard Concepción Carhuancho ordenou a prisão do ex-presidente do país Ollanta Humala e de sua mulher, Nadine Heredia, que são acusados de lavagem de dinheiro relacionada ao caso Odebrecht. O casal se apresentou às autoridades após a decisão e foi preso em Lima.
A ordem, que autoriza 18 meses de detenção para Humala e Nadine, veio após procuradores argumentarem que o casal pode fugir do Peru. O mesmo juiz já havia ordenado a prisão de um outro ex-presidente peruano, Alejandro Toledo, por acusações semelhantes. Toledo está nos Estados Unidos lutando contra pedidos de deportação das autoridades peruanas.
O procurador Germán Juárez acusou o casal Humala e Nadine de lavar dinheiro nas campanhas presidenciais de 2006 e 2011. Ele explicou que ambos receberam recursos públicos da Venezuela para a campanha de 2006, quando Humala saiu derrotado nas eleições. Em 2011, quando Humala foi eleito, a Odebrecht e a OAS contribuíram com dinheiro que seria destinado a corromper funcionários e obter licitações, segundo o procurador.
O empresário Marcelo Odebrecht declarou em sua delação que havia entregado ilegalmente 3 milhões de dólares à campanha de Humala, que negou as acusações.
No Twitter, o ex-presidente e sua mulher negaram as acusações. Humala afirmou que a decisão confirma o “abuso de poder” das autoridades e Nadine disse que “não foram apresentadas provas”.
(Com Estadão Conteúdo e EFE)
Postar um comentário

Comentarios