SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Marcos Valério fecha delação Operador prometeu relatar à Polícia Federal detalhes do mensalão mineiro

VALÉRIO: medo de ser assassinado na prisão (Cristiano Mariz/VEJA)
Depois de uma série de tratativas frustradas, Marcos Valério de Souza conseguiu fechar um acordo de delação premiada com a Polícia Federal. As informações coletadas pelos investigadores foram encaminhadas para o Supremo Tribunal Federal (STF) porque o operador do mensalão citou políticos que detêm mandatos — o chamado foro privilegiado. O documento é extenso e está no gabinete da presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia. Como a Corte está em recesso, ela pode homologar o acordo por conta própria ou aguardar o retorno dos demais ministros para distribuir o caso.
Condenado a mais de 37 anos de prisão no julgamento do mensalão, Valério foi transferido na segunda-feira da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, para a Associação de Proteção e Assistências ao Condenado (Apac) de Sete Lagoas (MG). Valério alegava correr risco de morte no presídio.
DesrValério prometeu entregar detalhes do chamado mensalão mineiro e a participação de políticos influentes — alguns com mandato atualmente — do Estado.
Antes de negociar com os policiais federais, Valério tentou, sem sucesso um acordo com o Ministério Público Federal. Ele dizia ter mais informações sobre os desvios do Banco Rural e o envolvimento de dirigentes do PT, inclusive o ex-presidente Lula, com o assassinato do prefeito Celso Daniel.
FONTE:http://veja.abril.com.br/
Postar um comentário

Comentarios