SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Ex-secretário de obras de Eduardo Paes é preso em mais um desmembramento da Lava Jato no Rio Agentes cumprem 9 mandados de prisão preventiva e um de prisão temporária. Suspeitos teriam recebido mais de R$ 30 milhões em propina de obras públicas.

Ex-secretário de Obras da Prefeitura do Rio, Alexandre Pinto (Foto: Reprodução / TV Globo / Arquivo)
Ex-secretário de Obras da Prefeitura do Rio, Alexandre Pinto (Foto: Reprodução / TV Globo / Arquivo)
   
Os procuradores do Ministério Público Federal têm como base a delação da empreiteira Carioca Engenharia e diz respeito a corrupção, com pagamento de propina e desvio nas obras do corredor de ônibus Transcarioca, que custou R$ 2 bilhões, e da drenagem de córregos da Bacia de Jacarepaguá. De acordo com as investigações, o ex-secretário cobrava propina de 1% no valor das obras.
Essa fase da Lava Jato passa a investigar não só a organização criminosa que, segundo os investigadores, era chefiada pelo ex-governador Sérgio Cabral, mas também a organização criminosa que teria ligações com o PMDB em todo o estado do Rio de Janeiro.
Entre os alvos da ação estão são lobistas e fiscais da prefeitura responsáveis pelas obras. Essa é a primeira vez que a Lava Jato fluminense chega na esfera municipal. Os agentes também cumprem mandado em um condomínio de luxo em Camboinhas, na Região Oceânica de Niterói, e no bairro de Boa Viagem, em um prédio que fica em frente ao Museu de Arte Contemporânea (MAC), também em Niterói.
Alexandre Pinto foi citado em delação da engenheira Luciana Salles Parentes, que trabalhava na Carioca Engenharia. A delatora disse que tomou conhecimento da exigência de pagamento por meio de Antonio Cid Campelo, da OAS. Ela afirmou que o então secretário de Obras do Rio exigiu 1% do valor do contrato.As investigações foram iniciadas há quatro anos e os presos serão indiciados por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Após os procedimentos de praxe, eles serão encaminhados ao sistema prisional do estado.
Setenta e seis policiais federais cumprem mandodos no Rio de Janeiro (Recreio, Centro, Copacabana, Botafogo, Vila Isabel, Barra da Tijuca, Tijuca, Rocha, Jacarepaguá), Niterói (Boa Viagem, Icaraí, São Francisco, Itaipu, Fonseca, Camboinhas) e em São Paulo/SP, Recife/PE e Petrolina/PE.
De acordo com o site da prefeitura, a história do ex-secretário Alexandre Pinto começou no governo municipal em 1987, quando ingressou nos quadros como diretor da Coordenadoria Geral de Conservação (CGC). Ele também foi presidente da Rio-Águas e subsecretário de Águas Municipais, até chegar à Secretaria de Obras, onde assumiu a secretaria no segundo semestre de 2009.
Casa do ex-secretário de Obras fica em um condomínio na Zona Oeste do Rio (Foto: Reprodução / TV Globo)
Casa do ex-secretário de Obras fica em um condomínio na Zona Oeste do Rio (Foto: Reprodução / TV Globo)

Mansão de Alexandre Pinto na Zona Oeste do Rio (Foto: Cristina Boeckel / G1)
Mansão de Alexandre Pinto na Zona Oeste do Rio (Foto: Cristina Boeckel / G1))


PF na casa do ex-secretário do Rio, Alexandre Pinto (Foto: Reprodução / TV Globo)
PF na casa do ex-secretário do Rio, Alexandre Pinto (Foto: Reprodução / TV Globo)

FONTE:http://g1.globo.com

Postar um comentário

Comentarios