SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Justiça manda herdeira que prometeu R$ 500 mil a Lula pagar dívida antes

  
A Justiça de São Paulo determinou que Roberta Luchsinger, que se apresenta como herdeira de um dos ex-acionistas do banco Credit Suisse, deve quitar uma dívida de R$ 62 mil antes de "qualquer ato de disposição graciosa de bens". A socialite havia anunciado a doação de R$ 500 mil em dinheiro e objetos pessoais ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, após o o bloqueio de bens decretado pelo juiz Sergio Moro depois da condenação no caso do tríplex do Guarujá
O juiz Felipe Albertini Nani Viaro, da 26ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, ordenou a execução imediata da dívida de R$ 62 mil de Roberta com uma loja de decoração. Isto significa que a "Bolsa Lula", como foi apelidada a doação ao ex-presidente, vai ter que esperar o pagamento do débito. Beneficiar o petista antes de quitar a pendência seria enquadrado como "fraude à execução", segundo a decisão do juiz.

Leia também: 

Fábio Assunção proíbe filho de atuar em filme de Danilo Gentili e o chama de 'mau exemplo'
Câmara adia votação da PEC da reforma política

Relator recua e retira doação oculta do texto da reforma política
Marco Aurélio quer pôr na pauta do STF debate de prisão 2ª em instância
Caravana de Lula no Nordeste já enfrenta percalços antes de começar
Magno Malta detona fundo bilionário para financiar campanhas; assista
EUA pedem que países latinos, inclusive Brasil, rompam com Coreia do Norte

A determinação foi divulgada nesta quinta-feira pela "Folha de S. Paulo" e confirmada pelo jornal O Globo por meio de consulta processual no site do TJ-SP. Há uma semana, a socialite explicou ao GLOBO que a "Bolsa Lula" tinha "valor simbólico" e que eleger o ex-presidente em 2018 era "muito mais importante que caridade".

O Credit Suisse informou que os parentes de Roberta nunca tiveram controle acionário da instituição nem participaram de sua fundação. Ela é neta de Peter Luchsinger, que já teria tido ações no banco.

'BOLSA LULA'

Em apoio ao petista, que teve mais de R$ 9 milhões em planos de previdência e contas bancárias bloqueados, Roberta disse que vai reunir artigos próprios, como cheques, objetos e joias, em uma mala de grife que será entregue pessoalmente a Lula.

Na decisão, proferida há uma semana, o magistrado ainda intima Roberta a indicar bens passíveis de penhora no prazo de 10 dias. Caso contrário, a Justiça considerará que ela praticou "ato atentatório à dignidade da Justiça", o que pode levá-la a uma multa de até 20% do valor atualizado da dívida.

"Advirta-se, ainda, que deverá abster-se de qualquer ato de disposição graciosa dos bens até que pague a integralidade da dívida, sob pena de reconhecimento de fraude à execução, com a consequência ineficácia da operação", lê-se na sentença de Viaro.

A herdeira move uma ação contra a loja de decoração na mesma vara. Mas a ação aguardava o fim da tramitação do processo que analisa a execução da dívida. O GLOBO tenta contato com a defesa de Roberta. À "Folha de S. Paulo", ela destacou que pagou por um serviço terceirizado e que está sendo cobrada novamente.
fonte:http://www.politicanarede.com
Postar um comentário

Comentarios