SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Pyongyang diz que exercícios militares incitam guerra nuclear Coreia do Norte condenou a Ulchi Freedom Guardian,, manobra anual promovida por Estados Unidos e Coreia do Sul

Resultado de imagem para Pyongyang diz que exercícios militares incitam guerra nuclear
Um jato Dragon Lady U-2 da Força Aérea dos Estados Unidos participa de um exercício militar na Base Aérea de Osan em Pyeongtaek, na Coreia do Sul - 21/08/2017 (Lee Sang-hak/Yonhap/Reuters)
A Coreia do Norte condenou os exercícios militares anuais conjuntos da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, iniciados nesta segunda-feira em meio à tensão resultante dos programas nuclear e de mísseis norte-coreanos.”Isso visa a inflamar uma guerra nuclear na península coreana a qualquer custo”, disse a agência de notícias estatal norte-coreana, KCNA, que fez a denúncia de que as atividades teriam como objetivo um ataque preventivo.
Anualmente, Coreia do Sul e Estados Unidos realizam a manobra militar Ulchi Freedom Guardian (UFG). Baseados em grande medida em simulações por computador, esses exercícios são realizados na Coreia do Sul durante duas semanas. Os dois aliados apresentam as operações como defensivas, mas, para Pyongyang, trata-se de uma provocação. E, todo ano, ameaça adotar represálias militares.
A operação de 2017 acontece em um contexto de alta tensão e de guerra retórica entre Washington e Pyongyang. “A situação na península coreana mergulhou em uma fase crítica por causa do imprudente alvoroço de guerra dirigido à Coreia do Norte pelos maníacos de guerra”, disse a KCNA. O presidente sul-coreano, Moon Jae-In, no entanto, reforçou que o exercício conjunto é puramente defensivo e pediu que Pyongyang não use as manobras como desculpa para perpetuar o “círculo vicioso” das tensões.
China, aliada da Coreia do Norte, voltou a pedir nesta segunda que os dois países suspendam seus exercícios conjuntos e que sejam retomadas conversações para pôr fim à crise. “A atual situação na península da Coreia é muito sensível e frágil, o que requer que as partes diretamente envolvidas, Estados Unidos e Coreia do Sul incluídos, façam esforços conjuntos para reduzir as tensões”, afirmou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

Ataque intercontinental

A Coreia do Norte testou dois mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) em julho e alegou ter capacidade de atingir o continente americano. Como reação, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou responder com “fogo e fúria”.
Em contrapartida, Pyongyang prometeu lançar uma salva de mísseis perto do território americano de Guam, no Pacífico. O líder norte-coreano, Kim Jong-un, decidiu deixar o plano em suspenso, alertando para o fato de que sua ativação depende apenas do comportamento de Washington.
FONTE:http://veja.abril.com.br
Postar um comentário

Comentarios