SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Voto No Papel: Em Defesa Da Democracia & Pela Transparência Nas Eleições

  
A defesa das transparência e lisura nas próximas eleições, contra a possibilidade de fraude eletrônica, será a bandeira política mais importante desse segundo semestre, ao lado da luta contra a violência e a criminalidade e pelo direito de defesa. Os brasileiros de bem têm a obrigação cívica e moral de saírem às ruas para exigir que as próximas eleições sejam limpas e que assegurem a livre manifestação da vontade da maioria da população. O Crítica Nacional tem uma posição clara e inequívoca a esse respeito, pois defendemos:
a) O fim das urnas eletrônicas e votação em cédula impressa, como acontece em outras democracias do mundo.
b) Apuração aberta ao público, acompanhada e fiscalizada pelos eleitores e representantes de candidatos e de partidos.
A votação em cédula de papel a ser depositada na urna manualmente pelo eleitor garante que a vontade do eleitor seja respeitada. As urnas eletrônicas hoje carecem de qualquer legitimidade e confiabilidade ante o eleitorado, pois não dá ao eleitor a segurança de que o voto computado corresponda àquele que expresse a vontade do eleitor na cabine. Por sua vez, o processo de apuração eletrônica em sala secreta distante do público e do eleitor torna ilegítimo o próprio processo de apuração.
Defendemos o processo de apuração manual fiscalizada pelos eleitores. Ainda que esse processo manual seja mais lento, pois não há urgência na proclamação dos resultados, uma vez que os eleitos tomam posse somente cerca de dois meses após a eleição. Portanto, nada justifica exigir rapidez na apuração. O uso de tecnologias, por sua vez, deve estar submetido ao princípio da transparência do voto e do processo de apuração, e não ao contrário, como ocorre com a votação eletrônica e a apuração secreta nas salas da justiça eleitoral.
É imprescindível que inicie-se nesse segundo semestre um amplo movimento na sociedade em defesa da democracia e da transparência nas eleições e no processo de apuração. A primeira manifestação em favor dessa pauta já está marcada, e ocorrerá no próximo dia 20 de agosto na cidade de São Paulo. A manifestação será uma iniciativa conjunta do grupo São Paulo Conservador, do movimento de Ativistas Independentes, entre outros,  e com o apoio e endosso do Crítica Nacional.
FONTE:https://www.criticanacional.com.br
Postar um comentário

Comentarios