SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

(BOMBA COMEÇOU A REVOADA DEPOIS DA DENUNCIA DO PALOCCI)Cerca de 300 petistas de MS entregam desfiliação nesta sexta Irão protocolar fichas de desfiliação na sede do diretório estadual do PT, na Capital, e no TRE

Petista histórico, o ex-deputado federal Antonio Carlos Biffi deve liderar saída de correligionários (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)
Petista histórico, o ex-deputado federal Antonio Carlos Biffi deve liderar saída de correligionários (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)
   A debandada, anunciada no mês de agosto, ocorre por “discordarem das decisões tomadas pelo atual presidente estadual da legenda”, o deputado federal José Orcírio Miranda dos Santos, o Zeca do PT, conforme nota divulgada sobre o ato de desfiliação.
“Essa é a primeira vez que acontece uma desfiliação em massa no PTMS e ao contrário de muitos petistas que já deixaram o partido, dessa vez a maioria dos militantes não está comemorando a saída”, prossegue a nota.
A expectativa é de que além da saída do ex-presidente estadual do PT Antônio Carlos Biffi, após quase 30 anos como filiado, outros dois ex-gestores do diretório estadual deixem o partido.
Algumas lideranças justificam a decisão por não haver mais possibilidade de construção de projeto coletivo no partido e que a atual gestão estaria focada em projeto familiar nas próximas eleições.
O descontentamento com os rumos do partido teve início com a vitória do deputado federal Zeca do PT, que venceuBiff e ficou com a presidência estadual. Entretanto, a situação piorou com demissão de 8 dos 9 funcionários do diretório sem o pagamento de salários e verbas rescisórias garantidas por direitos trabalhistas.
A agonia do PT em Mato Grosso do Sul se acentuou ao fim das eleições de 2016. Dos 12 prefeitos e prefeitas eleitos em 2012 restaram apenas dois no partido até o final do mandato em 2016 e a bancada de vereadores nos municípios sul-mato-grossenses teve uma redução de mais de 50% durante a última legislatura, passando de 102 para 50 parlamentares.
FONTE:https://www.campograndenews.com.br

Postar um comentário

Comentarios