SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Zezé di Camargo acertou: não houve ditadura no Brasil O cantor prefere chamar de "militarismo vigiado" o que poderia ser chamado por dezenas de outros eufemismos

Estudante caindo no chão, durante perseguição policial aos manifestantes na Avenida Rio Branco - 1964
A turma do pau-no-miolinho botando pra quebrar (Evandro Teixeira/Agencia JB/Dedoc)
O cantor, compositor e historiador Zezé di Camargo está coberto de razão ao dizer que não existiu ditadura militar no Brasil. Numa entrevista a Leda Nagle, ele explica que houve, isso sim, um “militarismo vigiado”. A expressão não deixa claro se os militares eram vigiados ou se eles é que vigiavam os demais, mas isso não tem importância porque a simples ideia de opressão soa ridícula num país democrático como o nosso.
Sendo assim, vamos esclarecer de uma vez por todas o que houve entre 1964 e 1985.
Não foi ditadura e não foi “militarismo vigiado”, combinado? Foi um negócio que se chama “pau no miolinho”. Funcionava assim: se o brasileiro quisesse votar para presidente, nada como um pau no miolinho para passar a vontade. Se quisesse falar o que vinha na cabeça, pau no miolinho até fechar a boca. Se inventasse de ler livros com ideias estranhas, outro pau no miolinho para resolver a questão. Greve, talvez? Pau no miolinho, agora com força redobrada.
É claro que o método alcançaria todos os setores da vida pública. O pau-no-miolismo foi largamente aplicado à atividade jornalística, ao cinema e à televisão. Livros didáticos, então, nem se fala. Gente informada corria um risco maior de tomar um pau no miolinho, por isso o negócio era deixar todo mundo no escuro e evitar as filas nos hospitais. Às vezes o pau no miolinho não era suficiente, mas aí era preciso improvisar: não havia nada que um choquinho ou outro não pudesse resolver.
Tem uma história muito bonita de dois meninos de Goiás que formaram uma dupla e foram cantar no rádio. Já que a letra da música tinha a palavra “tirania”, foi por pouco, muito pouco, que o pau não comeu nos miolinhos do radialista e do pai dos meninos. A história é tão bonita que virou filme de sucesso. A cena do rádio segue abaixo, mas fique claro que a frase do radialista — “daqui a pouco vai todo mundo preso” — jamais ocorreria numa ditadura ou num “militarismo vigiado”, apenas na República Democrática do Pau no Miolinho.
Na parte final da entrevista, Zezé prova que não é apenas um intelectual de gabinete e faz uma proposta prática para os impasses do país.
— Acho que o Brasil precisa de uma depuração.
Entenda-se por depuração o desejo de entregar o poder a militares que possam usar a força para reorganizar a pátria. Não se trata de uma nova ditadura, é lógico, apenas do tal “militarismo vigiado”, brando e saudável, com censura e torturadores eventuais. Na realidade, é da turma do pau-no-miolinho que Zezé está falando, um pessoal acostumado a fazer faxinas e — santa ingenuidade! — devolver o governo de mão beijada aos civis. O melhor é que essa turma faz a entrega em tempo recorde.
Na última vez, foram apenas 20 anos.
fonte:http://veja.abril.com.br
 

Postar um comentário

Comentarios