SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Marcelo Bretas manda Sérgio Cabral para presídio federal Unidade para onde o ex-governador será transferido ainda não é conhecida. Decisão foi tomada durante audiência tensa entre Cabral e o juiz

Sérgio Cabral
Cabral afirmou ainda que Bretas está querendo aparecer ao causar 'calvário'
  O juiz federal Marcelo Bretas determinou a transferência do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral para um presídio federal.
Um forte bate-boca entre Bretas e Cabral ocorreu durante depoimento do político nesta segunda-feira (23), o que motivou o pedido do Ministério Público Federal. 
Bretas sentiu-se ameaçado com declarações do ex-governador. Em um trecho do depoimento, Cabral afirmou receber informações sobre a movimentação de familiares do juiz federal, que questionou o ex-governador se o argumento era uma ameaça. 
Para o juiz, o presídio carioca não basta para o ex-governador por ter admitido receber informações que envolvem o juiz Bretas. 
O presídio para onde o peemedebista será enviado ainda não foi escolhido.
Tensão
A decisão de transferir Cabral ocorreu em uma audiência marcada pela tensão entre o réu e o magistrado. Bretas chegou a suspender a sessão por cinco minutos, depois que o ex-governador o acusou de procurar projeção pessoal.
“O senhor está encontrando em mim uma possibilidade de gerar uma projeção pessoal me fazendo um calvário”, disse o ex-governador. O peemedebista já soma mais de 70 anos de prisão, em três sentenças – duas de Bretas.
Bretas perguntou se a orientação para fazer essa pergunta teria sido orientação do advogado Rodrigo Roca. O defensor de Cabral disse que a questão era uma “ofensa” e respondeu que não.
O magistrado também se irritou quando Cabral, ao dizer que comprou joias com dinheiro de caixa dois, mencionou que a família de Bretas trabalhava com a venda de bijuterias. Bretas reclamou de o ex-governador ter demonstrado conhecido sobre detalhes de familiares seus, o que pesou para que o pedido fosse feito e aceito quase imediatamente.
“Isso pode ser subentendido como ameaça. E a lei veda que o próprio acusado crie uma suspeição que não venha de orientação técnica”, disse o juiz para Roca. “Isso vem de pessoa que está obviamente chateada por questões que lhe são contrárias”, completou Bretas.
Antes da discussão mais fervorosa, Bretas havia perguntado se Cabral se sentia injustiçado e ele disse que “sem dúvida”.
“Queira o senhor ou não, eu fui o líder deste Estado, eu realizei neste Estado, eu trabalhei nesse Estado”, disse Cabral.
Bretas respondeu: “Mais uma vez, o senhor quer criar aquele discurso de injustiçado”, afirmou.
fonte:http://www.otempo.com.br


Postar um comentário

Comentarios