SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

domingo, 5 de novembro de 2017

Em meio à polêmica do Enem, filho de Bolsonaro chama direitos humanos de 'esterco da vagabundagem'

RIO — O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), publicou nas redes sociais uma foto do pai segurando uma camisa com a frase: "Direitos humanos esterco da vagabundagem". Na legenda, o vereador sugeriu que a frase se torne tema para a redação do Enem se o pai "for eleito presidente".
DICA PARA A REDAÇÃO DO ENEM QUANDO BOLSONARO FOR ELEITO PRESIDENTE EM 2018 - direitos humanos: esterco da vagabundagem.
A postagem foi feita em meio à polêmica em torno da redação da prova, que não poderá ser zerada caso o candidato desrespeite os direitos humanos no texto, um dos critérios de avaliação. Carlos publicou a foto pela primeira vez no Twitter, no sábado, horas após a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, decidir pela não validade da regra que determina a aplicação de nota zero ao candidato que desrespeitar os direitos humanos.
O vereador carioca compartilhou a imagem novamente no Facebook, na manhã deste domingo, dia em que candidatos de todo o país se preparavam para o primeiro dia do Enem, quando farão a prova de redação.
A ministra do STF atendeu à liminar concedida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região que suspendia esse trecho do edital. A liminar foi concedida pelo desembargador Carlos Moreira Alves, acatando pedido da Associação Escola Sem Partido. O movimento argumenta que o critério não é “objetivo” e tem “conteúdo ideológico".

A foto de Jair Bolsonaro segurando a camiseta com a frase é velha e circula na web desde de 2014. Em agosto de 2016, o próprio Jair chegou a publicar a declaração no Twitter.
fonte:https://extra.globo.com
Postar um comentário

Comentarios