SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

FHC - "Bolsonaro propôs me matar quando eu estava na Presidência" Ex-presidente FHC compará Jair Bolsonaro similar a Silvio Berlosconi após caso Mãos Limpas referência a Lava Jato


Se realmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está em "primeiro lugar" na corrida presidencial para 2018, como afirmam às últimas pesquisas divulgas pela imprensa. Porque então muitas pessoas e políticos insistem em atacar de maneira sórdida, o deputado federal e pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ)? - Um desses é o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que sem citar o nome de Bolsonaro, disse na última quinta-feira (16) ao participar de um evento na Universidade Brown, nos EUA, segundo a correspondente do jornal Estadão em Washington (EUA) Cláudia Trevisan, que não poderia descartar a possibilidade do Brasil, ter a mesma experiência italiana após a Operação Mãos Limpas, referência a Operação Lava Jato, quando elegeu Silvio Berlusconi, deixando mais que claro o ataque ao deputado Bolsonaro como uma ameça nas eleições do próximo ano.


FHC é tão cara de pau que, mesmo não dando detalhes, disse que há pessoas da direita que são pessoas perigosas, e que, um dos candidatos (Bolsonaro) propôs em matá-lo quando ainda estava na Presidência. E que na época, não tinha prestado atenção. Mas que tem medo, pelo que ainda "Bolsonaro" não tem poder, mas terá a possibilidade em ter. Tanto que chegou à dizer sobre uma entrevista de Bolsonaro à TV Bandeirantes em 1999, que seria impossível realizar mudança no Brasil por meio do voto. - "Você só vai mudar, infelizmente, quando nós partimos para guerra civil aqui dentro. E fazendo um trabalho que o regime militar não fez. Matando 30 mil e começando por FHC", disse o ex-presidente.

O que me chama atenção neste caso. É a cara de pau do ex-presidente FHC, em dizer que há um "debate sério" no Brasil sobre o assunto, inclusive entre os juízes responsáveis pela força-tarefa da Lava Jato. - "Eles estão comparando, eles  sabem o que aconteceu na Itália, todo mundo sabe das consequências em termos de Berlusconi. Se você olha a situação atual do Brasil, eu não posso dizer que isso não é possível."

A verdade é que FHC, como a cúpula do política, sabem muito bem que Bolsonaro tem todas chances de vencer às eleições de 2018 já em primeiro turno, ao em dizer aquilo que a população brasileira já sabe que, sucesso do candidato na disputa de 2018, dependerá da capacidade de expressar uma mensagem que coincida com os anseios da população. Com isso, FHC choramigou dizendo que política não é pautada só pela razão, mas também pela emoção. - "É arriscado. Essa pessoa está comprometida com a Constituição, com o respeito das leis, com os direitos humanos?".

FHC é tão pilantra, que chegou a dizer que até relutou em apoiar o impeachment de Dilma Rousseff, mas que só mudou de ideia após a paralisia do governo, ou seria melhor em dizer: "Após ver a nação brasileira verdade e amarela nas ruas." E mesmo assim, ele afirmou que o afastamento é uma decisão política, ainda que amparado em base legal, no caso, o desrespeito à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). - "Isso é um crime tremendo? Não, muitas pessoas fizeram. E por que não foram afastadas? POrque essas pessoas não estavam em uma frágil posição de poder e a consequência não foi a interrupção do processo de tomada de decisões. É uma questão política", FHC.

Fonte: UOL Conteúdo

Postar um comentário

Comentarios