SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sábado, 4 de novembro de 2017

Vídeo mostra professora forçando menino a passar batom em escola? Boato circula no Facebook há uma semana. Segundo sentença judicial, professora esfregou cápsula de Ômega 3 no rosto da criança e disse que era catarro

   Notícia falsa espalhada pelo Facebook
Frame de vídeo de um boato espalhado no Facebook, segundo o qual uma professora tentou, à força, passar batom em um menino (Foto/Reprodução)
Voltou a circular no Facebook na última semana um boato criado em 2016, segundo o qual três professoras tentaram passar batom na boca de um menino, que relutou e foi maltratado por elas. A informação, falsa, é “comprovada” por um vídeo, que mostra uma das professoras segurando a criança pela mão, enquanto outra tenta passar algo no rosto do garoto.
A postagem na rede social, que atribui a atitude das professoras à “maldita ideologia de gênero”, foi feita pela página Rio Conservador. O vídeo já foi assistido cerca de 2,5 milhões de vezes e compartilhado outras 66.237 vezes:
O vídeo mostra um dos casos de maus-tratos de professoras do colégio Ipê Centro Educacional, em Águas Claras (DF), contra alunos. As imagens foram feitas por uma funcionária da escola e vieram à tona em junho de 2015. Com base neste vídeo, a mãe do menino entrou com uma ação na Justiça contra o colégio, que foi condenado a pagar 30.000 reais por danos morais no início de setembro.
Não é possível, pelas imagens, enxergar com clareza o que a professora levou à boca do aluno. Conforme a sentença da 3ª Vara Cível de Taguatinga (DF), no entanto, ela esfregou no rosto dele uma cápsula de Ômega 3 e disse que se tratava de catarro. “A conduta repugnante das prepostas da ré em esfregar um líquido com forte cheiro de peixe no rosto do menor, de forma a simular que aquilo seria ‘catarro’ restou amplamente demonstrada não só pelos vídeos trazidos aos autos como também pelo depoimento da testemunha”, afirma a decisão.
Este boato já havia circulado por redes sociais em maio de 2016. Naquela ocasião, o texto que acompanhava o vídeo dos maus-tratos no colégio Ipê Centro Educacional era “professora feminista, adepta da ideologia de gênero, tenta violentamente passar batom em aluno. Veja a reação do garoto. O que precisa acontecer com essa ‘professora’?”.
A atual descrição do vídeo, assim como a anterior, portanto, não passa de mais um boato criado por detratores da chamada “ideologia de gênero”.
fonte:http://veja.abril.com.br/
Postar um comentário

Comentarios