SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Justiça quebra de sigilos bancário e fiscal de Aécio Neves




O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quinta-feira, 7, a quebra dos sigilos fiscal e telefônico do senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal articulador do golpe parlamentar de 2016; Mello determinou a quebra de sigilo no período entre janeiro de 2014 a maio de 2017 e também se aplica à irmã de Aécio, Andrea Neves, ao primo do senador, Frederico Pacheco, e a Mendherson Souza Lima
Minas 247 – O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta quinta-feira, 7, a quebra dos sigilos fiscal e telefônico do senador Aécio Neves (PSDB-MG), principal articulador do golpe parlamentar de 2016.Mello determinou a quebra de sigilo no período entre janeiro de 2014 a maio de 2017 e está relacionada às investigações da Polícia FEderal na operação Patmos. Ele atendeu a pedido feito em maio pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
A decisão da quebra de sigilo também se aplica à irmã de Aécio, Andrea Neves, ao primo do senador, Frederico Pacheco, e a Mendherson Souza Lima.
Nesta quinta-feira, 7, Andreia Neves foi liberada da prisão domiciliar (leia mais).
Outras fontes: UOL 

Entenda o caso

Aécio passou a ser investigados a partir da delação premiada de executivos da JBS. O diálogo em que Aécio pede o dinheiro a Joesley foi gravado secretamente pelo empresário, que fechou acordo de colaboração premiada.
A Polícia Federal rastreou que parte desse valor foi entregue por um executivo da JBS ao primo de Aécio, Frederico, que repassou o dinheiro a Mendherson.oesley afirma em sua delação que também tratou dos R$ 2 milhões com Andrea.
A investigação da JBS levou à apresentação de denúncia contra Aécio por corrução e obstrução de Justiça e à instauração de um novo inquérito contra o senador para apurar novas suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro, também a partir das investigações iniciadas com a delação da JBS.
A 1ª Turma do STF ainda não julgou se recebe a denúncia e abre processo penal contra Aécio, o que tornaria o senador réu.

O que diz Aécio

O advogado do senador, Alberto Toron, afirmou nesta quinta-feira (7) que o cliente recebeu a decisão com “absoluta naturalidade” e vê “com bons olhos” a decisão nessa fase de investigação. No entanto, o advogado disse também que a determinação não era necessária, pois Aécio colocaria os dados bancários e fiscais à disposição espontaneamente se assim fosse pedido.
FONTE:/falandoverdades.com.br
























































































































.
.

































































































































































































Postar um comentário

Comentarios