SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Clima Tempo

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Ministros Encaram Prova De Fogo Sob Pressão Da Lava Jato E Se Manifestam!

   
Ministros encaram prova de fogo
Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) entraram em situação complicada com o andamento da maior operação anti-corrupção do Brasil, a #Lava Jato.

O Supremo Quer Dar Seu Parecer Em Três Decisões Importantes Envolvendo As Investigações E Ainda Lidam Com A Forte Pressão Popular De Apoio À Lava Jato.

As decisões serão certeiras: ou irão abalar as investigações ou irão consolidá-las.

Veja A Seguir O Que Os Ministros Do #STF Pretendem Debater.

Para o Supremo, a forma como a Lava Jato conduz as investigações deixou um ponto de interrogação sobre o direito atribuído pelos investigadores, alertando também outras operações que citam ser um “rastro de dúvidas”.
Os acordos de delação premiada que são firmados envolvendo a Procuradoria Geral da República (PGR) e o Ministério Público Federal (MPF) estariam causando transtorno.
Em um episódio recente, o ministro Ricardo Lewandowski devolveu para a Procuradoria o acordo de delação do marqueteiro Renato Pereira.

Segundo O Ministro, A Colaboração Estava Em Aspecto “Ilegal”.

Com isso, surgiu uma discussão de que os acordos de delação para serem homologados caberia a um “jogo de loteria”.
Ou seja, teriam que ver na sorte se o ministro irá dizer “sim” ou ”não” para a delação.

Uma Outra Decisão Do STF Mexe Com O Ministério Público, Em Que Se Abriria Espaço Para Fazer Uma Revisão De Penas Dos Réus Colaboradores Nas Investigações.

O STF estaria “de olho” para reduzir o tempo de cadeia de réus que colaboraram com as investigações, acreditando que se não fizerem isto, delações como a do ex-ministro Antonio Palocci e de Léo Pinheiro, da OAS, nem irão surgir.
O ex-ministro do STF Carlos Velloso avaliou que a Suprema Corte precisa se manifestar sobre essas questões.
FONTE:ttps://www.noticiasbrasilonline.com.br
Postar um comentário

Comentarios