SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 15 de março de 2018

Diamante esconde no seu interior mineral nunca antes visto

   
Cientistas da Universidade de Alberta, no Canadá, encontraram pela primeira vez perovskita no interior de um diamante, um mineral nunca visto à superfície.
Esta descoberta, levada a cabo por cientistas da Universidade de Alberta, no Canadá, permite identificar este mineral à base de cálcio e titânio, que nunca havia sido visto à superfície.
A descoberta de perovskita abre o caminho para se identificar o que acontece à crosta oceânica e ao manto terrestre. Além disso, esta descoberta permitiu aos cientistas criarem uma imagem teórica do mineral.
Com é o quarto mineral mais abundante do mundo, não é possível mantê-lo à superfície da Terra. “A única forma possível de preservar este mineral à superfície é quando está aprisionado num contentor sólido como um diamante”, explicou Graham Pearson, professor do departamento de Ciências da Terra e Atmosféricas da Universidade de Alberta.
O professor Graham Pearson e os seus colegas publicaram a descoberta, esta quarta-feira, na revista Nature.
Segundo o Diário de Notícias, o diamante, onde foi encontrado este mineral, foi extraído da mina Cullinan, na África do Sul. Nesta mina são extraídas algumas das pedras mais valiosas do mundo.
Este exemplar destaca-se dos outros diamantes na medida em que, enquanto que os outros são formados a 150 a 200 quilómetros de profundidade, os cientistas indicam que este mineral terá sido formado a 700 quilómetros.
Além da descoberta de perovskita num diamante, nunca feita até então, este achado permite, segundo Pearson, perceber “claramente a reciclagem da crosta oceânica e do manto terrestre inferior”. “Proporciona uma prova fundamental do que acontece às placas oceânicas à medida que descem na profundidade da Terra.”
ZAP //
Postar um comentário

Comentarios