SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 15 de março de 2018

O PSOL, a Marielle, a ação judicial contra a intervenção e o dilema do partido Como ficará o PSOL? Continuará demandando contra a intervenção?


O covarde assassinato da vereadora Marielle Franco, na noite desta quarta-feira (14) no Rio de Janeiro, abre um enorme dilema no seio do PSOL, o partido da parlamentar.

O PSOL havia acabado de protocolar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a intervenção federal de natureza militar no Rio de Janeiro.

Na ação proposta, o partido defende que a intervenção foi midiática, inconstitucional e sem planejamento.

‘É mais violência sobre a população pobre, negra e excluída do País’, argumenta a petição inicial da ação.

A investigação do assassinato de Marielle é de extremo interesse do governo federal, inclusive a Polícia Federal deve assumir o comando das investigações.

A elucidação do crime deverá justamente reforçar a tese da necessidade da intervenção, tamanha a gravidade da situação no Rio de Janeiro.

Não duvidem, tudo será desvendado com brevidade.

E assim surgem os questionamentos: Como ficará o PSOL? Continuará demandando contra a intervenção?

É necessária uma maior preocupação com a sociedade. É o momento de todos esquecerem ideologias e demagogias e unidos combatermos o crime.

O PSOL não pode permitir que a morte de Marielle seja em vão. O momento é de reflexão e ação.

Se forem capazes...
FONTE:https://www.jornaldacidadeonline.com.br
Postar um comentário

Comentarios