SIGA-ME

SIGA-ME

Seguidores da revista

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

quinta-feira, 17 de maio de 2018

Senadora Regina Sousa, do PT, quer saber quem fica com os R$ 2,2 milhões da venda do triplex. Só falta perguntar se Lula vai ser solto, agora que o imóvel foi vendido


A presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), Regina Sousa (PT-PI), parece ter muitas dúvidas sobre o que deverá acontecer após a conclusão de venda do triplex atribuído ao ex-presidente Lula no Guarujá.

Por iniciativa da petista, o colegiado aprovou nesta quarta-feira (16) um requerimento com solicitação de informações à Caixa Econômica Federal sobre o triplex no edifício Solaris, em Guarujá, numa tentativa de relacionar o imóvel à Caixa, assim como agiu a defesa do ex-presidente Lula no curso da jurisdição que acabou resultando na condenação e prisão do petista.

O imóvel foi leiloado ontem,  o que motivou a apresentação do requerimento, segundo Regina.

Os questionamentos são destinados ao banco porque, como explicou a senadora, o referido imóvel estaria vinculado à Caixa como penhora. A CDH quer que a instituição confirme se de fato o triplex está ou esteve penhorado, a quem pertencia o apartamento, se há outros imóveis penhorados no mesmo edifício e para quem vai o dinheiro do leilão realizado ontem (R$ 2,2 milhões). A petista finge ignorar que o dinheiro deverá ser devolvido à Petrobras como forma de restituir a estatal por prejuízos causados pela organização criminosa comandada por Lula. Segundo seu ex-amigo e ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, o triplex foi reservado para Lula e o valor foi abatido em propinas destinadas ao petista por contratos superfaturados entre sua empresa e a Petrobras.

A comissão também quer saber se a Caixa contestou a decisão do juiz Sergio Moro de determinar o leilão do triplex.

— Deveria ser algo natural, porque se o imóvel estava penhorado para a Caixa, penso que a empresa tinha que ter se manifestado. Também é importante que se esclareça se o banco era o proprietário temporário do imóvel, em caso dele estar penhorado — finalizou a senadora, que insistiu na tese de que o imóvel não era de Lula, mesmo com o petista julgado, condenado e preso pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex. Só falta agora a senadora perguntar se Lula já pode ser solto, agora que o imóvel já foi vendido.

Fonte:http://www.imprensaviva.com
Postar um comentário

Comentarios