quinta-feira, 5 de julho de 2018

Comandante do Exército teme que crime organizado no Brasil 'caminhe para situação como a do México' Em homenagem a soldado morto no regime militar, general Villas Bôas defendeu 'coesão nacional para o desenvolvimento' para que 'gerações futuras não passem pelo que ocorreu há 50 anos'.

Comandante do Exército participa de homenagem a sargento morto durante o regime militar em SP (Foto: Tahiane Stochero/G1)
FONTE:https://g1.globo.com

O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, afirmou nesta quinta-feira (5) temer que a infiltração do crime organizado no país contamine outras instituições, levando o Brasil para uma situação semelhante à do México, com mortes e confrontos entre integrantes de cartéis, ou da Colômbia no passado recente, com disputas entre guerrilhas do narcotráfico e o governo.
O general conversou com jornalistas durante evento em São Paulo. Nas últimas semanas, ele encontrou pré-candidatos à Presidência da República. Nos encontros, ele demonstrou preocupação em relação ao orçamento para a defesa e o controle das fronteiras. Entre os pontos que conversou com os pré-candidatos, disse ele nesta quinta, está a "segurança da população".
"Tratamos das fronteiras e do combate ao crime organizado e às organizações criminosas. Eu tenho muito receio que estas organizações vão se estruturando, se ampliando, ganhando caráter nacional e internacional e, inclusive, elas aumentam sua capacidade de contaminar outras instituições", afirmou.
"Eu tenho medo, por exemplo, que a gente caminhe para uma situação como a vivida no México atualmente, ou como a que foi vivida na Colômbia com os cartéis, há 20 anos", disse Villas Bôas.
Segundo ele, a questão das drogas está "avançando e enfraquecendo a sociedade brasileira".
Comandante do Exército teme que Brasil vire o México em relação ao crime organizado

Herzog e o sargento Kozel

O comandante do Exército, que está usando cadeira de rodas devido a uma doença degenerativa, participou de um ato em São Paulo em homenagem ao sargento Mário Kozel Filho, morto em um atentado de grupo armado contra a sede do Exército na capital paulista em 1968. Um carro-bomba com 20 quilos de explosivos destruiu parte do quartel e deixou mais cinco feridos.
O evento ocorreu um dia após a Corte Interamericana de Direitos Humanos considerar o Estado brasileiro responsável pela falta de investigação, julgamento e sanção dos responsáveis pela tortura e assassinato do jornalista Vladimir Herzog, morto durante o regime militar.
"Eu gostaria de que a família do sargento do Kozel tivesse os mesmos direitos e recebesse as mesmas atenções que a família do Herzog. Mas o contexto da morte do Herzog e do Kozel devem fazer um alarde comparativo com o que vivemos hoje. Naquela época, a sociedade brasileira cometeu um erro de permitir a linha de confrontação da guerra fria cindisse a nossa sociedade e criou acabando um ambiente para que fatos lamentáveis como a morte do soldado Kozel como o que aconteceu com o Vladimir Herzog tivessem ocorrido", disse ele.
"Nós hoje vivemos um momento em que nossa sociedade foi perpassada por muitas linhas de fratura".
"Temos que olhar para a frente, recuperar a coesão nacional e restabelecer uma ideologia de desenvolvimento, um sentido de projeto, para que as gerações futuras nao venham a passar pelo que ocorreu há 50 anos. Este é o o grande ensinamento disso tudo".
"Estas separações que estão ocorrendo na sociedade... nós estamos na iminência de algo muito grave ocorrer, que é a perda da nossa identidade. E isso não pode acontecer num país com o potencial do Brasil, que tem papel muito grande a cumprir no mundo", afirmou o general.
Comandante do Exército fala sobre morte de Vladimir Herzog e o sargento Kozel

Movimento intervencionista

Villas Bôas minimizou o movimento intervencionista que ganha força em manifestações populares, que pedem maior participação política do Exército ou uma possível intervenção militar no Executivo. Para ele, as pessoas apenas se identificam com os valores militares, sem fundo ideológico.
"Este movimento, eu, pessoalmente, interpreto como uma identificação da população com os valores que as Forças Armadas representam, e uma âsia pelo restabelecimento da ordem. Eu não vejo caráter ideológico nisso. Mas, de qualquer forma, as Forças Armadas, o Exército, se eventualmente vierem a intervir, será para fazer cumprir a Constituição, manter a democracia e proteger as instituições", disse.
Segundo ele, isso se daria da forma como ocorreu quando houve a convocação para as Forças Armadas atuarem durante a greve dos caminhoneiros e também na intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro.
"Quem interpreta que o Exército pode intervir é porque não conhece as Forças Armadas e a sua determinação democrática", salientou o comandante.

Intervenção no Rio

O oficial também rebateu críticas à demora na mudança da situação da violência no Rio de Janeiro após a intervenção federal decretada na segurança pública em fevereiro pelo presidente Michel Temer e sob o comando do Exército. Segundo Villas Bôas, o processo é lento e envolve mudanças no caráter "estrutural" da polícia fluminense e no modo de agir e pensar das forças de segurança locais.
"Os verdadeiros resultados da intervenção no Rio vão demandar um pouco mais de tempo. É uma missão extremamente difícil, extremamente preocupante e extremamente necessária"
"Em relação às críticas, as pessoas têm que entender que esta situação vivida no Rio em segurança pública, ela é decorrente de uma espécie de omissão das autoridades e da justiça, e decorrente também de programas e valores que permeiam a nossa sociedade hoje. As pessoas perderam a confiança umas nas outras. Nosso país está muito carente de disciplina e princípio da autoridade está muito corroído. A reversão deste quadro exige tempo. As principais medidas estão sendo tomadas pela equipe de intervenção e são de caráter estrutural, como a reestruturação da Polícia Militar", disse ele.
"Já ocorreram melhoras e que, infelizmente, não são tão divulgadas. Os verdadeiros resultados vão demandar um pouco mais tempo. É uma missão extremamente difícil, extremamente preocupante e extremamente necessária", salientou.
Evento homenageou sargento morto em atentado durante o regime militar em SP (Foto: Tahiane Stochero/G1)Evento homenageou sargento morto em atentado durante o regime militar em SP (Foto: Tahiane Stochero/G1)
Evento homenageou sargento morto em atentado durante o regime militar em SP (Foto: Tahiane Stochero/G1)
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios