quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Há quem diga que sou radical com os comunista(Colunista e poeta Fábbio Kostta)


HÁ QUEM DIGA QUE SOU RADICAL CONTRA COMUNISTAS

Sem querer ser repetitivo, nem cansativo, quero recordar o circo de horrores da tal entrevista, que na verdade, foi mais uma terrível falta de respeito com um cidadão cujas opiniões tem sido abraçadas por milhões de brasileiros. Porém, o pior é comprovar que os portadores de tamanha desfaçatez, que se posicionam como intelectuais e formadores de opiniões, na verdade, nem mesmo suas opiniões tivemos a chance de contemplar. Antes, o que mais se destacou foram: seus desejos intensos de destruir a pessoa que estava sentada diante deles, que aceitara um convite para se expor publicamente mesmo sabendo que corria o risco de ser atacado com severa estupidez, falta de educação e intolerância. E uma maquinal obediência cega e fútil ao comunismo, por parte deles.
Em nada deu-se por evidente uma opinião pessoal, individual sequer, mas sim, a manifestação dos efeitos de uma lavagem boçal coletiva - literalmente escrevendo - com conceitos introduzidos em suas mentes fracas e vazias. Trata-se da miséria do comunismo, do tal esquerdismo, que se apresenta por meio da falsa preocupação com as tais vítimas da sociedade. Será que de fato algum entre eles estava mesmo sofrendo em si as dores da escravidão dos negros a ponto de quase exigir que caso Bosonaro fosse eleito, que arcasse com o pagamento dessa dívida social? Então porque eles não abraçam uma causa nobre como as crianças de  oito, nove e doze anos, principalmente no nordeste, que são escravas sexuais? E isso acontece hoje.

Não há como reparar o que houve há centenas de anos em uma época que até religiões eram coniventes com a escravidão. Mas há como eles, sendo portadores de arma tão poderosa para até mesmo acabar com tal escravidão.
A arma deles é a chamada imprensa, que não usam de maneira benéfica impessoal, sentem prazer em usá-la para tentar destruir um homem, que conta com a aprovação de milhões de brasileiros.  Não fazem uso de tal arma para salvar as crianças abandonadas a sorte de uma escravidão desumana e covarde. Mas fazem para tentar reproduzir ideias insanas oriundas há centenas de anos também, nas mentes de vagabundos oportunistas e arruaceiros, cujo único objetivo é escravizar toda uma nação prometendo-lhes justiça na divisão de renda e propriedade, quando na verdade são engôdos para tornar seus escravos, não apenas alguns capturados e vendidos por seus semelhantes, e sim, todos os habitantes de um país inteiro, por meio de tortura, mortes e cadeias. Assim foi em Cuba e atualmente está sendo na Venezuela.

E eles nem precisam de uma máquina do tempo para ter acesso as crianças escravizadas, basta ir de ônibus, de automóvel ou de avião.
Quem sabe se usarem suas habilidades em um trabalho que acuse, informe e denuncie tais práticas, não possam assim salvar algumas vidas a partir de agora?

Me chamam "radical" quando digo que tenho asco por essa esquerda podre, essas ideologias cruéis e desumanas infundidas por um império maligno e assassino, chamado comunismo. Mas prefiro ser considerado radical por tentar defender minha família dessa coisa dita vermelha asquerosa e odiosa, tão defendida por petulantes que se acham "jornalistas", que fazer o papel que fizeram: retardados mentais, com ataques imbecis; e feito cães raivosos, agiram em defesa dessa filosofia do mal que é o comunismo, atacando, acusando e tentando humilhar o "opressor", que lhe pões em risco a continuidade de tirar vantagens do governo... Porém um homem que já comprovou, que por sentir-se indignado, quer lutar justamente - como puder e estiver ao seu alcance - contra injustiças.

 Fábbio Kostta
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios