quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Pastor “santo” não pisa no chão e usa crianças como tapete

Resultado de imagem para pastor que não pode pisar no chão
Por ele então se considerar um santo, o pastor se mostra não querer “se misturar” com tudo que retrate coisas mundanas, então assim ele anunciou aos seus fiéis que a partir daquele momento não pisaria mais no chão, para que assim evitasse a contaminação de toda a sujeira mundana que está nele. Assim que fez esse pronunciamento, o pastor então começou a procurar uma forma para que assim não precisar e não ter que tocar seus pés no chão, o que pra ele seria um ato impuro. Após pensar muito, o pastor encontrou uma única forma para resolver essa questão que o mesmo teria inventado. A maneira que ele encontrou para isso, chocou muitas pessoas que não fazem parte da sua congregação, pois isso seria como usar os membros de sua igreja como um simples objeto.Então M’Bayiaa teve a “brilhante ideia” de que para evitar o seu contato com o chão “impuro” ele iria então usar as crianças, filhos de fiéis, como tapete, sim, ele pisava em cima das crianças, para não ter contato com o chão, e em algumas vezes também naqueles que se voluntariaram. Enquanto para os fiéis isso é um ato de honra pois estão assim servindo um santo, para o restante do mundo é apenas a prova viva de que como as pessoas usam a fé do outro para assim se beneficiarem e se sentirem mais importantes. Infelizmente este caso não é único, acontece em diversas maneiras, pode não ser usando literalmente o fiel como tapete, mas mesmo assim pisam em sua fé.
FONTE:https://segundoevangelho.com
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios