quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Tempo: Chuvas ficam por pouco tempo sobre Brasil central e tendência mais seca retorna já nesta 6ª feira

Imagem de satélite de todo o Brasil nesta quinta-feira (16) - Fonte: Inmet
Após vários dias sem precipitações, chuvas retornaram para áreas da região central do país nas últimas horas, ainda que isoladas, e devem beneficiar lavouras. A condição, segundo meteorologistas, apresenta uma mudança no padrão recente. No entanto, mapas estendidos já mostram uma nova condição de seca.
Nesta quarta-feira (15), as precipitações sobre a região Centro-Oeste foram bastante irregulares. Em Juína (MT), cidade com maior acumulado no período, a chuva ficou em 49,6 milímetros, enquanto Pontes Lacerda (MT): 17,0 mm, Posse (GO): 3,2 mm, Bala Vista (MS): 3,0 mm e Sapezal (MT): 2,4 mm.
Veja o mapa com a previsão de precipitação acumulada para até 72 horas (17/08 a 19/08) em todo o Brasil:
Mapa com a previsão de precipitação acumulada para até 72 horas (17/08 a 19/08) em todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet
Essa chuva recente, segundo a Climatempo, deve beneficiar lavouras pelo país, garantindo uma manutenção, mesmo que mínima, dos níveis de água no solo, mas pode atrapalhar colheitas. A condição deve garantir bom pegamento da florada do café, que vem ocorrendo em áreas produtoras, bem como a do citros.
Reflexos também podem ocorrer na cana-de-açúcar que, apesar de a chuva estar beneficiando o desenvolvimento, irá atrapalhar o pleno andamento da colheita e afetar a concentração de ATR. A colheita do milho também deve ser atrapalhada, mas a condição ajudará na dessecação das ervas daninhas, segundo a empresa meteorológica.
Segundo Morgana Almeida, chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), essa condição mais úmida no Brasil central deve se manter até sexta, com o final de semana voltando a ficar mais seco. Mapas mais estendidos, inclusive, mostram poucos volumes até o final do mês na região.
Veja o mapa com a precipitação acumulada para o período de 16 de agosto até 01 de setembro:
Mapa com a precipitação acumulada para o período de 16 de agosto até 01 de setembro - Fonte: National Centers for Environmental Prediction/NOAA
Fonte: National Centers for Environmental Prediction/NOAA
"Podemos constatar que do dia 15 ao dia 23 de agosto, o modelo americano ainda coloca uma região mais úmida e até com chuva sobre grande parte do Brasil central, parte do Sudeste e região Sul. Além disso, também há uma condição mais chuvosa para o recôncavo baiano", afirma a especialista.
Já no período de 24 de agosto até 1º de setembro, as chuvas ficam mais escassas sobre o Centro-Oeste, Sudeste e partes do Nordeste. "Podemos ver que volta a ficar seco em grande parte do Brasil central. Mas como isso vem mudando muito a gente precisa acompanhar e atualizar essa previsão", pondera Morgana.
Plantio de milho no município de Independência (RS). Envio do Técnico. Ag Thailan Golin
Plantio de milho no município de Independência (RS). Envio do Técnico. Ag Thailan Golin​
Trigo na região de Lagoa Vermelha (RS) Envio do Engenheiro Agrônomo Carlos R. DELLAVALLE Filho
Trigo na região de Lagoa Vermelha (RS) Envio do Engenheiro Agrônomo Carlos R. DELLAVALLE Filho​
Spodoptera frugiperda envio de Yara Alves
Spodoptera frugiperda envio de Yara Alves​
Colheita de grão de bico Grupo Brolio em Campo Novo do Parecis (MT). Envio de Antonio Cesar Brolio.
Colheita de grão de bico Grupo Brolio em Campo Novo do Parecis (MT). Envio de Antonio Cesar Brolio.​
Híbrido as 1777 Agroeste em Palmital (SP). Envio de Jr. Figliano
Híbrido as 1777 Agroeste em Palmital (SP). Envio de Jr. Figliano​
Postar um comentário

Atenção

* A Revista Esperançanossa- não formula notícias, artigos ou vídeos, salvo quando os mesmos são citados como criação própria. Todas as nossas publicações são reproduções fiéis de sites de terceiros. Sendo assim, o conteúdo e/ou opiniões expressas nos textos publicados são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores, cujas informações estão contidas nos links da fonte, e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista Esperançanossa

Comentarios